Meteorologia

  • 20 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Procurador vê discrepância em laudos sobre sanidade de Adélio

Processo contra o esfaqueador confesso de Bolsonaro está suspenso até que haja conclusão sobre sua sanidade mental

Procurador vê discrepância em laudos sobre sanidade de Adélio
Notícias ao Minuto Brasil

21:34 - 07/03/19 por Folhapress

Justiça Facada

RIO DE JANEIRO, RJ, BELO HORIZONTE, MG, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os dois laudos oficiais elaborados por peritos judiciais sobre a sanidade mental de Adélio Bispo, autor da facada contra Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral em Juiz de Fora (MG) em setembro, têm divergências que motivaram pedido de esclarecimento do Ministério Público Federal.

O teor do laudos não foi divulgado porque os procedimentos encontram-se em sigilo de Justiça. O procurador do caso, Marcelo Medina, afirmou que as duas avaliações oficiais apresentam contradições que não foram explicadas pelos peritos nas conclusões dos documentos.

O processo contra Adélio está suspenso até que haja conclusão sobre sua sanidade mental. Três laudos já foram elaborados no caso. O primeiro, um laudo particular apresentado pela defesa, provocou pedido de uma avaliação judicial oficial.

O segundo laudo foi produzido por um psicólogo profissional a pedido dos dois peritos nomeados pela Justiça Federal para a avaliação da sanidade do réu. Esse documento seria um apoio ao terceiro e definitivo laudo judicial, assinado pelos próprios peritos nomeados, que são psiquiatras.

De acordo com Medina, são esses dois últimos documentos -o laudo psicológico e o laudo psiquiátrico– que contêm divergências.

+ Força de Intervenção Penitenciária ficará mais 45 dias no Ceará

Segundo a reportagem apurou com uma fonte ligada às investigações do caso, um dos laudos oficiais diz que Adélio foi diagnosticado com "transtorno delirante permanente paranoide". A reportagem apurou ainda que tanto o laudo apresentado pela defesa do agressor quanto o laudo final da Justiça apontam doença mental, mas divergem quanto ao grau.

Caso a insanidade fique comprovada, Adélio poderia se tornar inimputável e cumprir pena em um manicômio judiciário. Segundo o procurador, apesar de a tese de insanidade ser perseguida por muitas defesas, nem sempre ela gera pena benéfica para o réu, que pode ser condenado a passar o resto de sua vida em uma unidade para detentos com problemas mentais.

Adélio está preso atualmente na penitenciária federal de Campo Grande (MS). Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório