Meteorologia

  • 20 ABRIL 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Covid-19: Desequilíbrio na produção de citocinas aumenta mortalidade

Estudo afirma que o novo coronavírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19, desregula a produção de determinadas proteínas do sistema imunológico, provocando consequentemente respostas imunes mais perigosas, comparativamente a outros vírus.

Covid-19: Desequilíbrio na produção de citocinas aumenta mortalidade
Notícias ao Minuto Brasil

07:03 - 03/03/21 por NMBR

Lifestyle Óbitos

Uma nova pesquisa, realizada por pesquisadores dos Institutos Earlham e Quadram, no Reino Unido, reitera a conjectura de que, ao invés de ajudar, em certos casos a resposta do corpo humano à infecçãopelo novo coronavírus pode ser fatal, explica um artigo publicado na revista Galileu.

O estudo, divulgado no Frontiers in Immunology, analisou como o sistema imunológico reage quando interage com cinco vírus distintos, nomeadamente: o Mers-CoV,que se propagou no Médio Oriente em 2012; o SARS-CoV, que surgiu na China em 2003; dois subtipos de vírus influenza A (H5N1 e H7N9); e o mais recente SARS-CoV-2.

De acordo com os cientistas, estes vírus têm a capacidade de provocar um fenômeno geralmente apelidado de 'tempestade de citocinas' – ou Síndrome de Liberação de Citocinas (SRC).

Leia Também: Veja por quanto tempo se isolar e qual teste fazer em caso de sintomas de Covid-19

Este quadro é observado quando o sistema imunitário responde de forma exagerada a uma infecção, produzindo citocinas em exagero. Por sua vez, esta reação excessiva, não só combate os vírus como também - e paradoxalmente - o próprio corpo do doente, resultando na falência de órgãos e levando inclusive à morte.

A pesquisa britânica aponta que o SARS-CoV-2 está por trás de um desajuste na produção de reguladores específicos associados à resposta das citocinas, tornando esse desequilíbrio significativamente mais letal em comparação aos outros vírus.

"O SARS-CoV-2 não eleva todas ascitocinas esperadas em pacientes como os outros vírus respiratórios estudados, como as citocinas elevadas após uma infecção por influenza: IL-2, IL-10, IL-4 ou IL-5”, diz o estudo.

As citocinasIFN-γ e a IL-1β ficam assim desestabilizadas devido à ação do novo coronavírus.

Para efeitos daquela pesquisa, explica a Galileu, os investigadores realizaram uma meta-análise através da análise de mais de cinco mil estudos da literatura científica com dados de pacientes – simulação dereaçõesem laboratório e linhagens celulares foram descartados – que, durante ainfecçãopor um dos cinco tipos de vírus mencionados, registaram uma subida ou nenhuma alteração nos níveis decitocinas.

"O nosso objetivo é que esse mapeamento de respostas de citocinas ajude os especialistas a identificar intervenções que podem aliviar casos graves de Covid-19 e outras doenças que causam desequilíbrio na produção de citocinas", conclui o estudo.

Leia Também: Variante brasileira pode driblar Coronavac, sugere estudo

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório