Meteorologia

  • 12 MAIO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Queda de cabelo afeta 50% das mulheres e pode ser genética ou até por Covid

A pesquisa por remédios para alopecia feminina registrou crescimento de 1.400%

Queda de cabelo afeta 50% das mulheres e pode ser genética ou até por Covid
Notícias ao Minuto Brasil

19:00 - 16/04/21 por Folhapress

Lifestyle alopecia feminina

A cantora Maraisa, 33, da dupla com a irmã Maiara, revelou que sofre de alopecia androgenética, doença que atinge mulheres e homens. Desde então, a calvície feminina, que não costuma ser muito debatida, entrou para os assuntos mais buscados no Google.

A pesquisa por remédios para alopecia feminina registrou crescimento de 1.400% nos últimos 12 meses, cerca de 60% em relação ao mesmo período anterior. Houve ainda aumento repentino na busca por queda de cabelo devido à Covid e à menopausa.

Especialista em cabelo, o dermatologista Diorivano Custódio Junior, diz que a alopecia androgenética que a cantora tem não é uma doença tão incomum, mas um dos problemas crônicos que mais se observa no mundo. Segundo ele, até 50% das mulheres serão acometidas ao longo da vida pela alopecia androgenética -nos homens, esse índice é de 80%.

"Ela começa a se desenvolver depois da puberdade, com os hormônios androgênicos. Quem é acometido tem predisposição genética que herdou de pai, mãe, avós e bisavós", explica.

Na alopecia androgenética, os fios de cabelos passam por um processo de afinamento silencioso, que começa na parte da frente da cabeça e vai se espalhando pelo couro cabeludo em forma de mosaicos, quando não é tratada. "Onde tinha três [fios] ficam dois, onde tinha dois, vira um e isso vai acontecer em forma de mosaico [no couro cabeludo]", diz o dermatologista Breno Marques, também especialista em cabelo.

Custódio Junior diz que esse processo de afinamento e perda dos fios em pessoas com predisposição genética é decorrente dos hormônios no couro cabeludo -o principal deles, a hidrotestosterona. Segundo ele, quando começa a doença, na adolescência ou fase adulta, é preciso fazer o tratamento o mais breve possível. "Uma vez que começa o afinamento [dos fios] é contínuo e progressivo."

Outro forma de alopecia que afeta as mulheres é a areata, doença inflamatória que provoca perda de cabelo em formato circular. Os fatores que desencadeiam essa calvície podem ser desde predisposição genética a reação autoimune.

Há casos mais raros, como a areata total, em que há perda de todo o cabelo, e a areata universal, que causa a queda de todos os pelos do corpo -essa última atinge 5% dos pacientes, segundo a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia). "Quem tem na família [alguém com calvície], quando começa a cair o cabelo deve correr ao médico", enfatiza Custódio Junior.

Breno Marques esclarece que nem toda queda capilar é alopecia. Ele explica que o cabelo que cai na mão, no chuveiro ou no travesseiro é uma alteração normal do ciclo do fio e nada tem a ver com a calvície. De acordo com o dermatologista, o ciclo de vida do cabelo envolve o crescimento, a transição e no final a queda. Quando for excessiva e ultrapassar cem fios por dia pode ser sinal de alguma doença que altera o relógio biológico e é preciso investigar o evento desencadeante.

A perda excessiva de cabelo, diz Marques, é chamada de eflúvio telógeno, uma condição reversível que ocorre em casos como inflamação sistêmica, estresse, perda rápida de peso, anemia, ferritina baixa, parto, pós-cirurgia, doenças autoimunes e até por Covid-19. "[Em casos de] Covid ou qualquer outra doença inflamatória, o cabelo pode cair depois de dois meses."

O tratamento para alopecia varia de acordo com cada caso e podem ser utilizados simultaneamente ou separados. Envolve uso de corticoides, imunossupressores, hormônios, laser no couro cabeludo, terapia regenerativa, vitaminas e tônicos, além de aplicações de microagulhas para colocar remédios diretamente no couro cabeludo.

No caso de paciente que perdeu fios e tem áreas com rarefação de cabelos, a cirurgia de transplante de fios pode amenizar. A alopecia areata é uma das poucas contraindicações do transplante capilar porque provoca queda dos fios transplantados."

O procedimento consiste em retirar folículos com fios de áreas da cabeça não afetadas pela alopecia e transplantar para a nova área. Os médicos costumam transplantar em média 3.500 folículos, o correspondente a 11 mil fios. A cirurgia dura, em média, oito horas e custa cerca de R$ 35 mil.

A produtora de conteúdo digital Paula Bastos, 38, descobriu ter alopecia androgenética aos 18 anos ao procurar um tricologista para ter um cabelo mais volumoso e comprido. Ela fez uma biópsia e confirmou a suspeita. "Na minha família tinha casos dos dois lados, os meus avós paternos e maternos eram calvos. Tenho uma irmã que também tem alopecia androgenética."

Bastos afirma que o médico receitou medicamentos tópicos para passar no couro cabeludo e anticoncepcional para controlar os hormônios. "Tomei por seis meses [o anticoncepcional] e foi uma bomba, engordei muito. Já era obesa e só piorou, parei de tomar", diz.

Com o tempo, ela adotou o uso de lace, uma peruca com tela especial que simula o couro cabeludo. "Cansei de gastar dinheiro [com remédios e tônicos capilares] e criar esperança. O máximo que pode acontecer é segurar a evolução [da alopecia]", diz Bastos.

Paula Bastos diz que passou a se aceitar mais ao conhecer outras mulheres com alopecia pelas redes sociais. Ela afirma não ser mais escrava do cabelo, com mais de dez perucas e incentiva mulheres com alopecia a usarem próteses capilares, em seu perfil no Instagram. "Eu me senti mais acolhida. É muito irritante ser questionada sobre a queda de cabelo, precisam parar com as perguntas inadequadas."

Há 12 anos, a oficial de escola Cristina Okuyama, 49, descobriu ter alopecia universal ao perdeu todos os pelos do corpo -começou com queda de tufos de cabelo e em nove meses estava completamente careca, além da perda de cílios e sobrancelhas. Ela tinha cabelo comprido e nenhum caso de alopecia na família.

Ela usou corticoides injetados no couro cabeludo com microagulhas e fez todos os tratamentos possíveis. Para disfarçar, cortou o cabelo e usava chapéu e lenço até raspar todos os fios e se assumir careca.

"Depois de um ano [de tratamento] os fios começaram a crescer, mas não seguravam e caiam", afirma. Para suportar essa fase difícil, a oficial de escola tomou antidepressivos, fez terapia com um psicólogo e muita atividade física. "A ginástica ajudou muito."

Na luta para manter os fios, Cristina Okuyama mudou de médico, que trocou os corticoides por imunossupressores. Ela diz que já parou de tomar remédios por um período, mas que não vai abandonar o tratamento nunca. "Tive um começo de queda há um ano, mas meu cabelo está comprido, fazia tempo que não ficava [desse tamanho], 12 anos se passaram até agora", diz a oficial, feliz.

A autônoma Rosália Fernandes começou a perder os primeiros fios de cabelos com oito anos devido à alopecia areata. Ela lembra que a mãe passava remédio no couro cabeludo e fazia penteados "malucos" nela para esconder as falhas, mas depois passou por um período de remissão e por 20 anos esqueceu da doença. "Nem lembrava [da perda dos fios]. Só fui ouvir a palavra alopecia quando estava casada com um dermatologista", diz.

Há quatro anos, porém, a alopecia areata evoluiu para universal, e Fernandes perdeu todos os pelos do corpo -cabelos não passaram pelo processo de afinamento, eles caíram. "Questionava o dermatologista se era melhor não prender os fios e ele dizia que não era isso que causava a queda."
Mais de quarenta anos depois convivendo com a doença e de ter feito inúmeros tratamentos, Fernandes diz que desistiu dos tratamentos e assumiu a calvície. "Falei [para o médico] que não quero mais sofrer com dor nem tomar corticoides por causa dos efeitos [colaterais]."

Ela afirma que o período mais triste de sua vida foi quando perdeu todos os cílios. "Entrei em depressão. Cabelo eu coloco uma peruca e vida que segue. Os cílios postiços não seguram muito tempo e começam a descolar."

Fernandes fez um delineado permanente nos olhos e diz que não sai de casa sem maquiagem à prova d'água e peruca. "Não consigo ficar sem a prótese [capilar fora de casa], porque eu não amadureci suficientemente. Sempre fui muito no cabeleireiro, era a minha paixão. Minha peruca está sempre linda, cheirosa e, maravilhosa."

O psicanalista Francisco Nogueira diz que é tão difícil para as mulheres aceitarem a perda de cabelo que elas só procuram ajuda psicológica quando apresentam um quadro de melhora no tratamento. Ele afirma que o sofrimento pode ser muito profundo porque mexe com a identidade da pessoa, vaidade e até com a libido.

"É importante dizer que isso não é culpa da pessoa, é uma doença sistêmica. Ninguém escolhe ter alopecia. É preciso respeitar o sofrimento da pessoa", diz Nogueira, ao reforçar a importância de que tem alopecia precisa manter os laços sociais, ser acolhida e não fazer cobranças, como a de que ela precisa sair de casa. "Ela vai piorar, sentir diminuída e mais julgada no sentido de ser cobrada."

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório