Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

'Golden shower' deve ser consensual e entre quatro paredes

Golden shower, ou chuva dourada, é o nome em inglês para o fetiche de urinar na frente de um parceiro ou sobre ele

'Golden shower' deve ser consensual e entre quatro paredes
Notícias ao Minuto Brasil

06:57 - 07/03/19 por Folhapress

Lifestyle PRÁTICA SEXUAL

DHIEGO MAIA (FOLHAPRESS) - Maior polêmica do Carnaval de rua deste ano, o "golden shower" é uma prática sexual saudável quando há consenso e nenhum sofrimento entre os envolvidos - entre quatro paredes.

+ 'O que é golden shower', pergunta Bolsonaro após publicar vídeo obsceno

Golden shower, ou chuva dourada, é o nome em inglês para o fetiche de urinar na frente de um parceiro ou sobre ele. Foi esse ato feito por dois homens para uma centena de foliões no centro de São Paulo que foi replicado em vídeo nas redes sociais pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O vídeo foi gravado na última segunda (4) em um bloco chamado Blocu, no centro de São Paulo. Um homem aparece dançando sobre um ponto de táxi após introduzir o dedo no próprio ânus. Na sequência, surge outro rapaz, que urina na cabeça do que dançava.

Nesta quarta (6), Bolsonaro voltou a comentar o tema em rede social com uma pergunta econômica: "o que é golden shower?" A hashtag "goldenshowerbolsonaro" figurou entre os temas mais comentados no Twitter no Brasil durante várias horas.

Carmita Abdo, coordenadora do programa de estudos em sexualidade (Prosex) da USP, pergunta: "será que todos ali queriam ver aquela cena? Faltou consenso entre eles [casal] e o público?" "Eles estavam numa espécie de palco aberto em que as pessoas que os assistiam não tinham nada a ver com a intimidade deles", explica Abdo. "Há quem os aprovaria, mas há também quem desaprovaria."

Para Abdo, "numa festa popular, como o Carnaval, a última coisa que a gente acaba avaliando seria o comportamento das pessoas com exatidão. Tem muita coisa envolvida." Urinar sobre o parceiro em busca de prazer sexual deixou de ser uma patologia há menos de uma década. Os psiquiatras se debruçaram sobre a questão e retiraram a urofilia, como a prática é conhecida no jargão médico, do rol das doenças psiquiátricas, considerado que para ela acontecer é preciso consentimento do parceiro.

Patologias como pedofilia, exibicionismo, voyeurismo e frotteurismo (excitação ao esfregar o órgão sexual em uma pessoa desconhecida) continuam na lista de desordens mentais porque são feitas de forma forçada. O ato também não é prejudicial à saúde e tem pouca chance de transmitir doenças, segundo o infectologista Leonardo Weissmann, do Hospital Emílio Ribas. "A urina humana pode ter cheiro ruim e ser feia, mas não transmite doenças. É um fluído livre de bactérias, vírus e fungos."

O psicólogo Oswaldo Martins Rodrigues Júnior, um dos fundadores do Instituto Paulista de Sexualidade, também lembra que o "golden shower" não é um ato restrito aos gays. "A orientação sexual é o que menos tem significado porque a prática é o que mais interessa", conta. Segundo Oswaldo, a urina é usada com mais força entre os sadomasoquistas. "A dor e o calor que ela provoca, ou até fazer o parceiro de privada são alguns dos fetiches que essas pessoas têm com o líquido", afirma.

Para o psicólogo, os foliões que fizeram o ato em público só reencenaram as festas dionisíacas das sociedades antigas em que "todos praticavam sexo com pouca regra". "Mas, agora, eles podem responder criminalmente porque estamos na era do registro. Há imagens e, portanto, identificação." Quem não viu com bons olhos o episódio foi Marcelo Cerqueira, presidente do Grupo Gay da Bahia, entidade que monitora crimes violentos contra a comunidade LGBT no Brasil.

Cerqueira chamou a atitude dos foliões de "escatológica, nojenta e de uma provocação de mau gosto". "Eles estavam em um bloco com temática LGBT. É uma ação que só prejudica a nossa luta." "Quando eles fazem isso, não pensam que tem um adolescente que quer se assumir LGBT, mas tem que enfrentar uma família conservadora que não quer ver o filho nesse time", analisa.

De acordo com Cerqueira, a atitude de Bolsonaro dedicar atenção à questão serve de alerta. "Já não temos trânsito algum nesse governo. E agora?" Para o psicólogo Oswaldo Júnior, o presidente presta um desserviço ao entrar num episódio isolado do Carnaval. "Me sinto perturbado vendo um representante da nação falar sobre sexo com tanta frequência. Vamos falar de Brumadinho?" A reportagem procurou a organização do Blocu e os foliões envolvidos na polêmica, mas, até a publicação desta reportagem, eles não responderam.

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório