Meteorologia

  • 08 AGOSTO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Julgado a partir de hoje caso que revelou pedofilia em Igreja na França

O ex-padre Bernard Preynat deixou claro desde o início que não tenciona negar a acusação.

Julgado a partir de hoje caso que revelou pedofilia em Igreja na França
Notícias ao Minuto Brasil

20:15 - 14/01/20 por Notícias ao Minuto Brasil

Mundo Pedofilia

O ex-padre Bernard Preynat, de quem foi retirado o estatuto de clérigo em julho, começou hoje a ser ouvido no Tribunal de Lyon, no âmbito de um processo que trouxe à luz casos de pedofilia na Igreja francesa. No banco das testemunhas de acusação está a dúzia de vítimas de abusos por parte do padre, sofridos entre 1985 e 1991.

Preynat deixou claro desde o início que não tenciona negar a acusação: "Reconheço os fatos. Naquela época, não percebi sua seriedade", disse aos investigadores.

Com a voz embargada, Preynat, que agora tem 75 anos e enfrenta uma pena que pode chegar a dez anos de prisão e uma multa de 150.000 euros, disse que foi capaz de abusar de "quatro ou cinco crianças por semana" e que o fez nos fins de semana quando os levava para acampar.

"Não achei que estivesse cometendo agressões sexuais", disse o ex-sacerdote, que, no entanto, confessou que sabia que o que estava fazendo não era permitido e que por isso o fazia em segredo.

Foram as queixas das vítimas que lhe deram a consciência de que as suas carícias e toques causavam danos às crianças que, agora adultos, reconheciam que continuam a carregar sequelas.

Este processo é retratado no filme "Grâce à dieu", de François Ozon, lançado em fevereiro de 2019, coincidindo com um outro julgamento paralelo, que encerrou a sentença de seis meses de prisão com pena de suspensão do cardeal e arcebispo de Lyon, Philippe Barbarin, por ter encoberto Preynat.

Durante a investigação, o padre confessou que também foi vítima de abuso na infância e que começou a cometer abusos na sua juventude, entre 16 e 17 anos, quando era monitor em colônias de férias.

No seminário, os sinais de alerta continuaram, o que levou os seus superiores a inscrevê-lo numa terapia psiquiátrica entre 1967 e 1968, mas isso não o impediu de ser ordenado sacerdote em 1971.

Enviado para a paróquia de Saint-Luc de Sainte-Foylès, nos arredores de Lyon, Preynat tornou-se numa figura influente, muito querida pelas grandes famílias locais.

Após uma breve passagem por um convento de freiras, Preynat foi enviado para a pequena cidade de Neulise.

No verão de 2015, uma das vítimas, Alexandre Hezez, iniciou uma batalha para remover Preynat do clero.

Antes da inação do arcebispado, dirigida por Barbarin, Hezez escreveu ao Papa Francisco e ao promotor e apresentou uma queixa, que trouxe à luz o caso que abalou os fundamentos da Igreja francesa.

A investigação canônica foi mais rápida do que o normal e não esperou o civil, tendo sido retirado o estatuto de clérigo em julho de 2019.

Mas o escândalo não parou.

O Ministério Público abriu uma investigação e as vítimas se organizaram numa associação, "The Word Released", que acumulou testemunhos de vítimas.

A onda de choque levou Barbarin à frente e forçou a Igreja francesa criar procedimentos para combater a pedofilia, tendo sido criada uma comissão interna para detectar novos casos.

Campo obrigatório