Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Coronavírus presente na Itália desde setembro de 2019, afirma estudo

Novo estudo traz novidades sobre a disseminação do coronavírus

Coronavírus presente na Itália desde setembro de 2019, afirma estudo
Notícias ao Minuto Brasil

06:08 - 17/11/20 por NMBR

Mundo Pandemia

À medida que os casos de SARS-CoV-2 aumentam

por todo o mundo, registrando-se atualmente

mais de 55 milhões de infectados, os cientistas têm tentado entender de que forma o vírus letal começou a se propagar.

E agora, um novo estudo afirma que o novo coronavírus poderá estar a circular na Itália desde setembro de 2019.

Uma equipe de pesquisadores do Instituto Nazionale dei Tumori di Milano

(INT), em Milão, aponta que a

Covid-19 pode ter começado a disseminar-se além da China previamente ao que se havia pensado.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o novo coronavírus

era desconhecido antes do surto reportado em Wuhan, na China, em dezembro.

Sendo que o primeiro doente com Covid-19 na Itália foi oficialmente detectado no dia 21 de fevereiro

perto de Milão, na região da Lombardia.

Todavia, segundo o estudo realizado pelos cientistas italianos, publicado na revista científica do INT

Tumori Journal, 11,6% de 959 voluntários saudáveis que participaram num ensaio clínico de rastreio de câncer do pulmão entre setembro

de 2019 e Março de 2020, já haviam desenvolvido anticorpos do coronavírus bem antes de fevereiro.

Um teste específico e adicional relativo aos anticorpos do SARS-CoV-2 foi realizado pela Universidade de Siena

para a mesma pesquisa, de título 'A inesperada detecção

de anticorpos do SARS-CoV-2 no período pré-pandemia na Itália'.

O trabalho realizado pela Universidade de Siena

identificou quatro casos datados da primeira semana outubro

que também haviam testado positivo para os anticorpos que neutralizam o vírus, o que significa que os indivíduos estariam infectados

em setembro, conforme explicou o co-autor do estudo Giovanni Apolone, em declarações à Reuters.

"Esta é a principal descoberta: pessoas sem sintomas não só testaram positivo após realizarem os testes sorológicos, mas também tinham anticorpos no organismo capazes de matar o vírus", disse

Apolone.

"Tal significa que o novo coronavírus

pode circular entre a população por um longo período de tempo e com um baixo índice de mortalidade não porque está a desaparecer, mas apenas para voltar a emergir", acrescentou.

Já no mês de março pesquisadores italianos haviam reportado um número superior ao normal de casos de pneumonia e gripe grave na zona da Lombardia

nos últimos meses de 2019, um indicador de que o coronavírus

SARS-CoV-2 já estaria presente naquele país.

Campo obrigatório