Meteorologia

  • 23 ABRIL 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Taiwan ameaça derrubar drones chineses em mais um dia de tensão

O governo em Taipé ameaçou derrubar drones da ditadura comunista que circulam um território seu no mar do Sul da China

Taiwan ameaça derrubar drones chineses em mais um dia de tensão
Notícias ao Minuto Brasil

13:44 - 07/04/21 por Folhapress

Mundo Tensão

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio a mais um dia de tensão em torno de Taiwan, com caças chineses invadindo o espaço aéreo da ilha que Pequim considera sua, o governo em Taipé ameaçou derrubar drones da ditadura comunista que circulam um território seu no mar do Sul da China.

Falando ao Parlamento, o ministro Lee Chung-wei, responsável pela Guarda Costeira, afirmou que os aviões não-tripulados foram avistados em torno da ilha Pratas, 445 km a sudoeste de seu território.

A ilha, a maior do mar do Sul da China, tem também dois atóis menores próximos. É 1 dos 4 territórios de Taiwan naquelas águas que Pequim considera 85% suas, e o mais valioso: há petróleo na região.

Ela é vista como um alvo perfeito para os chineses, no caso de prepararem uma invasão de Taiwan. Há uma unidade com 500 fuzileiros navais taiwaneses no local.

Segundo Lee, os drones não invadiram o espaço aéreo da ilha, mas, se o fizerem, serão derrubados. Se isso ocorrer, a tensão que já é alta atingirá um novo nível na área.

Nesta quarta (7), o Ministério da Defesa em Taipé disse que mais um grupo de caças chineses entrou sem permissão na sua Zona de Identificação de Defesa Aérea –uma fronteira na qual teoricamente toda aeronave tem de se identificar.

O mesmo havia ocorrido na segunda-feira (5), e tal frequência é rara mesmo para os padrões de provocação locais. Em ambos os casos, Taiwan enviou caças para interceptar e afastar os intrusos.

Esse é o objetivo normal dessas incursões: manter o adversário em alerta e testar sua capacidade de reação.

Mas, como na segunda, o padrão de voo dos aviões nesta quarta tem um elemento diferente: eles buscaram circundar a ilha, teoricamente para se encontrar com o grupo naval do porta-aviões Liaoning, que se exercita em algum ponto do Pacífico a leste de Taiwan.

O Liaoning, 1 dos 2 navios do tipo da China, havia passado perto das disputadas ilhas Senkaku, no Japão, no fim de semana, gerando protestos em Tóquio. No mar do Sul da China, um porta-aviões nuclear americano também está em operação.

Analistas militares especulam se essa nova tática busca estudar melhor as defesas taiwanesas neste lado leste da ilha –os cenários de invasão geralmente assumem um ataque por meio do estreito de Taiwan, que separa o país do continente.

O chanceler de Taiwan, Joseph Wu, afirmou na manhã de quarta que os Estados Unidos, principais aliados da ilha, estão cientes do risco de um conflito.

"Nós vamos nos defender e lutar uma guerra se preciso", afirmou, repetindo a retórica usual das autoridades do país. A agência Reuters procurou a Casa Branca sobre o assunto, mas não obteve resposta.

Ainda nesta quarta, adicionando um elemento usual de sinalização na região, o destróier americano USS John S. McCain fez o trânsito pelo estreito de Taiwan. No fim de semana, foi a vez do USS Muster fazer o mesmo pelo mar do Leste da China.

Toda essa movimentação faz parte do balé da disputa entre Washington e Pequim, que a saída de cena de Donald Trump não alterou. O presidente Joe Biden vem sinalizando a manutenção da Guerra Fria 2.0 com Xi Jinping, algo que abarca vetores políticos, econômicos e militares.

Enquanto poucos analistas creem que o desejo dos países seja o conflito, o risco de uma escalada acidental com tal movimentação aeronaval sempre existe. Em 2011, um caça chinês se chocou com um avião-espião americano, por exemplo, e recentemente um destróier russo no Pacífico quase abalroou um navio dos EUA.

Os pontos mais sensíveis desse tabuleiro são justamente o mar do Sul da China, rota vital para as exportações de manufaturados e importações de commodities chinesas, e o estreito de Taiwan.

No último, a questão é mais política, dado que o Estado comunista formado em 1949 não reconhece Taipei como nada além de uma província rebelde. Hoje uma democracia, a ilha conta com apoio firmado em lei nos EUA, que lhe fornece equipamento militar.

Numa situação inusitada, ao mesmo tempo Washington não reconhece diplomaticamente Taiwan –o acordo que normalizou suas relações com Pequim em 1979 deixa implícita a aceitação da visão da ditadura comunista sobre a ilha.

Durante o governo Trump, várias autoridades americanas foram enviadas a Taipé, desafiando essa noção e provocando os chineses. Neste ponto, contudo, Biden ainda não foi além.

Ele inclusive promoveu no Alasca uma tensa reunião entre os chanceleres dos dois países, que emitiu muito calor e pouca luz, mas ao menos abriu um canal de diálogo entre os rivais.

Campo obrigatório