Meteorologia

  • 27 JULHO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Com abstenção recorde, de 66%, eleição regional mostra recuo da ultradireita na França

Segundo estimativa do instituto Ipsos para a France TV, a abstenção em nível nacional foi de 66,1% e chegou a 70,8% na região do Grande Leste

Com abstenção recorde, de 66%, eleição regional mostra recuo da ultradireita na França
Notícias ao Minuto Brasil

17:21 - 20/06/21 por Folhapress

Mundo FRANÇA-ELEIÇÕES

Uma abstenção recorde, de 2 em cada 3 eleitores, marcou neste domingo (20) as eleições regionais da França, onde o voto não é obrigatório. Segundo estimativa do instituto Ipsos para a France TV, a abstenção em nível nacional foi de 66,1% e chegou a 70,8% na região do Grande Leste. O menor índice foi na Córsega, com 44,1%.


"É o mal-estar democrático que se aprofunda", afirmou à FranceInfo o cientista político Rémi Lefebvre. "É uma abstenção histórica, mais estrutural do que cíclica. A pandemia não a explica", disse ele.
Segundo levantamento feito pelo serviço noticioso francês, 39% dos não votantes afirmaram não ter ido às urnas porque "estas eleições não vão mudar nada no cotidiano", 23% disseram estar insatisfeitos com os políticos em geral e 22% afirmaram não ter identificação com nenhum dos candidatos.


Apesar disso, 64% dos franceses se diziam interessados nos resultados desse pleito, de acordo com pesquisa do Ipsos. Isso ocorre porque a votação era considerada uma espécie de termômetro para as eleições presidenciais de abril de 2021, que devem opor o atual presidente francês, Emmanuel Macron, do centrista A República em Marcha (LREM), à ultradireitista Marine Le Pen, do Reunião Nacional (RN).


A aparente contradição entre abstenção e interesse, segundo Lefebvre, reforça que "a única eleição que interessa, ao ponto da histeria, é a presidencial". O acirramento de ânimos citado por ele se materializou há menos de duas semanas, quando um simpatizante da ultradireita deu um tapa do rosto de Macron.
Pesquisas mostravam que Le Pen poderia chegar em primeiro lugar em 6 das 13 regiões, mas o RN obteve a maioria dos votos apenas na região de Provença-Alpes-Côte d'Azur, no sudeste francês. Ainda assim, com 34,8% dos votos, o candidato da ultradireita era seguido de perto pelos Republicanos, com 33,7%.


Embora as eleições regionais tenham temas, interesses e dinâmicas específicas e não possam ser imediatamente traduzidas para a política nacional, no conjunto dos votos foram os Republicanos, partido de centro-direita (mais para a direita que para o centro) que obteve a maior parcela dos que se dispuseram a ir votar em todo o país: 27,2%.


A ultradireita do RN ficou com 19,3%, o Partido Socialista e sua frente de centro-esquerda, com 17,6%, os verdes do EELV, com 12,5%, todos à frente do grupo de Macron, que obteve 11,2% dos votos, de acordo com a pesquisa do Ipsos. A França Insubmissa (LFI), classificada entre esquerda e ultraesquerda, foi a escolha de 4,2% dos que foram votar.


Analistas consideraram os resultados um luminoso sinal amarelo para Emmanuel Macron, já que ministros de seu governo se envolveram nas eleições e o encarregado das relações com o Parlamento, Marc Fesneau, terminou em quarto lugar, com 15,5%, na região do Centro-Vale do Loire.


Por outro lado, 51% dos eleitores afirmaram neste domingo ao Ipsos que seu voto não representava nem sanção nem adesão ao governo nacional -33% afirmaram que votavam para expressão oposição a Macron e 16%, para mostrar apoio ao presidente.


Os eleitores votaram para parlamentares das 13 regiões e 96 departamentos franceses. A eleição é em dois turnos, com o segundo acontecendo no próximo domingo em todos os locais em que um partido não obtiver 50% dos votos na primeira rodada.


Administrar uma região -com orçamento e poder de decisão muito maior que o de cidades que o RN já governa- daria a Marine Le Pen mais cacife político para tentar vencer pela primeira vez um segundo turno em eleições presidenciais. Após o fechamento das urnas, ela atribuiu os resultados abaixo do esperado à abstenção e conclamou seus partidários a lutar pela vitória no segundo turno.


Vencer na segunda rodada, porém, tem sido uma barreira para a ultradireita na França. Para tentar reverter essa rejeição nas eleições presidenciais, Marine Le Pen tem adotado um discurso menos radical, no que é chamado na França de "desdemonização".


Além de suavizar a retórica, ela expulsou do partido integrantes que fizeram declarações antissemitas e tem dito que a escolha dos franceses não é entre "direita e esquerda" mas entre "nacionalistas -ela, no caso- e globalistas".

Campo obrigatório