Meteorologia

  • 20 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Mídia internacional repercute 'fim de era' Dilma Rousseff

Jornais citam 'fim de era' com saída da petista

Mídia internacional repercute 'fim de era' Dilma Rousseff
Notícias ao Minuto Brasil

00:54 - 01/09/16 por Notícias Ao Minuto

Mundo lá fora

A imprensa internacional deu um grande destaque a destituição da presidente Dilma Rousseff pelo Senado nesta quarta-feira (31) e o juramento do novo mandatário, Michel Temer.   

O jornal norte-americano "The Washington Post" informou que o Senado votou com maioria "esmagadora" pela saída de Dilma, sendo o ponto final de "um longo processo que dividiu o país". O "The New York Times" citou que os senadores brasileiros "expulsaram" a então presidente "O Senado cassou Dilma Rousseff, primeira mulher presidente do Brasil, e a tirou do escritório para o resto do seu mandato, a pedra angular de uma luta de poder que consumiu a nação durante meses e derrubou um dos mais poderosos poderosos partidos políticos do hemisfério", ressaltou.   

O italiano "La Repubblica" explicou para seus leitores sobre a votação desta quarta-feira e disse que "Rousseff deixa assim definitivamente o cargo e a principal economia latino-americana, que muda de líder: Michel Temer assumirá como o 37º presidente da República brasileira".   

O "Corriere della Sera" ressaltou a votação e a manutenção dos direitos políticos de Dilma e lembrou que Temer "guiará o Brasil até o fim de 2018, quando ocorrerão as próximas eleições presidenciais".   

O site do jornal britânico "The Guardian" fez um série de matérias para explicar todo o processo de impeachment e disse que "a primeira mulher presidente do Brasil" foi afastada e pôs fim "aos 13 anos do poder do Partido dos Trabalhadores".   

Já o francês "Le Monde" citou que o julgamento final "foi uma maratona de dezenas de horas de debate técnico e apaixonado" e fez um perfil de Michel Temer, destacando que ele é "tão impopular quanto sua antecessora" e citando que a posse terá que "ser rápida" porque ele viajará para a China para participar do G20.   

Com o título de "Dilma deposta definitivamente", o espanhol "El País" citou que a saída da presidente "culmina assim a mudança de governo mais traumática e esquizofrênica das últimas décadas".   

O jornal argentino "Clarín" destacou que "chegou ao fim uma era", lembrando o fim do ciclo dos presidentes do Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil.   

"Dilma Rousseff, a quarta presidente em 31 anos de democracia, foi definitivamente afastada do governo. Mesmo com os alertas realizados pela atual oposição de que está perante a um 'golpe parlamentário', 61 senadores votaram a favor de sua saída.   

Bastavam 54", disse o jornal. Com diversas matérias em sua capa, o também argentino "La Nación" afirmou que "após nove meses de um polêmico, intenso e dramático processo de impeachment, o Senado do Brasil aprovou por 61 votos a 20 a destituição". O portal ainda destacou que o país "segue em recessão" econômica e fez uma trajetória política de Dilma Rousseff. (ANSA)

Leia também: Entenda o que ocorre após o afastamento de Dilma

Campo obrigatório