Médico dos EUA pode ser última esperança do bebê Charlie

Bebê britânico sofre de doença rara e incurável

© Divulgação
Mundo há esperança 18:15 - 17/07/17 POR Notícias Ao Minuto

O médico norte-americano Michio Hirano visita nesta segunda-feira (17) Charlie Gard, o bebê britânico de 11 meses que sofre de uma doença rara e incurável, para examiná-lo pela primeira vez.

PUB

Hirano é especialita e professor de neurologia do Centro Médico da Universidade de Columbia, em Nova York. No hospital Great Ormond Street, ele também encontrou outros especialistas envolvidos no caso.

+ Turistas brasileiros relatam caos em aeroporto de Bariloche

O norte-americano ofereceu tratamento ao bebê porque a terapia que está desenvolvendo pode melhorar a condição de Charlie, que sofre de uma doença mitocondrial. Segundo ele, há entre 10 e 50% de chances do uso de nucleósidos melhorar a força muscular do bebê. Além disso, há também uma "pequena mas significativa" chance do tratamento ajudar no funcionamento do cérebro da criança.

Após a visita, Hirano será ouvido pela Alta Corte de Londres em audiência que decidirá se Charlie será submetido ou não ao tratamento experimental. Um médico italiano, que não teve sua identidade revelada, também participará da audiência. O pediatra trabalha no Bambino Gesù, hospital infantil administrado pela Igreja Católica em Roma e que havia se oferecido para receber o pequeno Charlie. Mas o hospital britânico disse que não pode transferí-lo por razões legais.

Os pais de Charlie, Connie Yates e Chris Gard, pretendem submetê-lo ao tratamento de Hirano e já conseguiram arrecadar mais de 1 milhão de libras para financiar a viagem, mas a Justiça do Reino Unido ordenou que os aparelhos do menino sejam desligados. No entanto, a sentença foi referendada pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, mas a Alta Corte de Londres decidiu reavaliar o caso.

Charlie nasceu saudável, em agosto de 2016, porém, logo começou a perder peso e força. Atualmente, ele só sobrevive com a ajuda de aparelhos. Com informações da ANSA.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X