Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2017
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

5 medidas que Pequim deve empreender para derrotar Washington

Uma revista norte-americana revelou de que medidas Pequim dispõe para superar Washington no âmbito da corrida econômica global

5 medidas que Pequim deve empreender para derrotar Washington
Notícias ao Minuto Brasil

19:15 - 11/10/17 por Notícias Ao Minuto

Mundo no mercado

Enquanto o presidente dos EUA, Donald Trump, olha "para trás e pensa em gastar milhões de dólares com o fortalecimento de infraestruturas obsoletas" do país, o líder chinês, Xi Jinping, "olha em frente, alimentando a ideia da nova Rota da Seda, um projeto mundial que tem um valor de um bilhão de dólares", afirma a revista estadunidense The Weekly Standard.

+ Anistia Internacional critica pena de morte para tráfico

"Embora os economistas dos países capitalistas creiam na teoria de que uma economia centralizada se destruirá, tarde ou cedo, debaixo do peso das contradições internas, a China é capaz […] de ocupar uma posição econômica importante no mundo", afirma a edição norte-americana, que revela os 5 passos que Pequim poderia dar para conseguir tal objetivo.

Primeiro, diz a revista, é preciso usar a "manipulação de divisas como uma arma importante na construção do poder econômico nacional, desvalorizando o yuan para estimular as exportações e impulsionando seu valor para deter a fuga de capitais".

Segundo, se deve proteger as empresas estatais ineficientes, subsidiando-as e exigindo que elas comprem bens chineses para evitar que o desemprego suba a níveis perigosos.

A terceira medida, assinala The Weekly Standard, consiste em "gastar o que for necessário para dominar as indústrias do futuro", como a indústria aeroespacial, a de inteligência artificial e outras.

A quarta ferramenta, indica a mídia, tem a ver com a compra, "na medida do possível", de empresas estrangeiras que contem com a tecnologia necessária. Nesse caso, nenhuma empresa estrangeira poderia aceder ao mercado chinês, a menos que compartilhe suas tecnologias com parceiros chineses.

E, finalmente, a quinta e última medida sugere criar "um exército capaz de prevenir o que o país teve que enfrentar no passado […], uma frota oceânica e construir ilhas artificiais que lhe permitam controlar o mar do Sul da China e as rotas marítimas através das quais passa 40% do comércio mundial".

Washington, por sua parte, também pode recorrer a suas próprias medidas disponíveis para minar os planos dos chineses, particularmente apoiar a campanha que visa impedir que as empresas chinesas adquiram empresas tecnológicas estadunidenses e não permitir ao fundo de capital chinês efetuar investimentos até que cumpra com condições restritas, assinala a edição.

Prevê-se que o líder norte-americano faça uma visita à China no âmbito da sua primeira visita oficial à Ásia entre 3 e 14 de novembro. Com informações do Sputnik.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório