Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2017
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

Presidente das Filipinas promete atirar em criminosos do país

Duterte acrescenta que estava pensando em levar a polícia de volta à guerra contra as drogas

Presidente das Filipinas promete atirar em criminosos do país
Notícias ao Minuto Brasil

22:51 - 22/10/17 por Notícias Ao Minuto

Mundo dedo no gatilho

No início de outubro, Duterte retirou a Polícia Nacional Filipina (PNP) da guerra contra as drogas para apaziguar "corações sangrentos e a mídia", colocando a responsabilidade exclusiva da campanha nas mãos da Agência Filipina de Controle de Drogas (PDEA).

Contudo, na última sexta-feira (20), Duterte parecia questionar a capacidade do PDEA de realizar sua missão com o grau apropriado de crueldade.

+ Ataque suicida mata ao menos 13 pessoas na Nigéria

"Aqueles que violam crianças, que violam mulheres, esses filhos da p… se você não quer a polícia, estou aqui agora. Vou atirar neles. Isso é verdade! Se ninguém se atrever a fazê-lo, eu vou puxar o gatilho", afirmou Duterte, de acordo com a Agência "AFP".

O líder filipino acrescentou que estava pensando em levar a polícia de volta à guerra contra as drogas, chamando Oplan Double Barrel e Oplan Tokhang.

"OK, deixe-nos ver, dentro de seis meses. Se as coisas piorarem novamente, digo a esses macacos: 'Voltem para este trabalho. Você resolve esse problema nosso'", disse ele.

A dura orientação de Duterte sobre a criminalidade ganhou muitos fãs, e ele abriu caminho para a Presidência filipina no ano passado, prometendo uma feroz repressão ao crime e às drogas, dizendo que ele iria alimentar peixes da baía de Manila com 100 mil criminosos.

Em janeiro, a campanha antidrogas foi temporariamente suspensa, após o sequestro e assassinato de um empresário sul-coreano por policiais corruptos. Mas, pouco mais de um mês depois, a campanha foi relançada.

Cerca de 4.000 pessoas que as autoridades chamaram de "personalidades da droga" perderam a vida na campanha de Duterte, de acordo com estatísticas oficiais da "Agência de Informações Filipinas".

No entanto, os grupos de direitos humanos dizem que os números do governo deixam de fora os chamados assassinatos de vigilantes, e o número real de mortes pode ser muito maior. Outros assassinatos relacionados a drogas foram atribuídos a sindicatos do crimes e guerras de gangues. Com informações do Sputnik Brasil.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório