Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Aprovada emenda que dá ao Parlamento direito de vetar acordo do Brexit

Com 309 votos favoráveis ante 305 contra, a emenda é vista por ministros do governo como ameaça às negociações de saída da UE

Aprovada emenda que dá ao Parlamento direito de vetar acordo do Brexit
Notícias ao Minuto Brasil

22:14 - 13/12/17 por Folhapress

Mundo REINO UNIDO

A primeira-ministra britânica, Theresa May, sofreu uma derrota nesta quarta-feira (13) ao ver o Parlamento aprovar uma emenda que permite aos legisladores vetar o acordo final do "brexit", a saída britânica da União Europeia.

Com 309 votos favoráveis ante 305 contra, a emenda é vista por ministros do governo como ameaça às negociações de saída da UE. Na semana passada, após meses de conversas, Londres e Bruxelas chegaram a um acordo para fazer avançar as discussões sobre como se dará o "brexit".

+ Israel derruba dois foguetes disparados de Gaza

A emenda aprovada nesta quarta-feira foi colocada em pauta por Dominic Grieve, deputado conservador correligionário de May, e defende que qualquer acordo final sobre o "brexit" deve ser aprovado pelo Parlamento antes de entrar em vigor.

Ele foi chamado de traidor por parlamentares do Partido Conservador que votaram contra a emenda.

O governo ficou "desapontado" com a votação, disse uma porta-voz de May em nota, afirmando que "essa alteração não nos impede de preparar nosso livro de estatuto para o dia da saída [da União Europeia]", marcado para 29 de março de 2019.

Mais cedo, May tentara convencer os parlamentares a votarem com o governo, dizendo que a emenda de Grieve aumentaria a pressão sobre um governo que busca deixar o Reino Unido pronto para o divórcio com a UE em março de 2019.

"Isso poderia acontecer em um estágio bem adiantado dos procedimentos, o que significaria que nós não conseguiríamos ter a saída suave e ordeira da União Europeia que gostaríamos de ter", disse a primeira-ministra ao Parlamento pouco antes do início do debate.

"Essa derrota é uma humilhante perda de autoridade do governo às vésperas do encontro do Conselho Europeu", afirmou o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn. "Theresa May tem resistido a uma prestação de contas democrática. Sua recusa em ouvir significa que agora ela terá de aceitar que o Parlamento tome o controle."

Enfraquecida depois de perder sua maioria no Parlamento na eleição de junho, May teve de ceder em alguns pontos-chave.

Para conseguir negociar o acordo comercial com a UE, May propôs uma série de concessões ao bloco europeu. Além da questão fronteiriça com a Irlanda, ela garantiu que os cidadãos europeus no Reino Unido terão o direito de permanecer ali.

Seu governo também continuará a contribuir ao orçamento europeu em 2019 e 2020 e pagará a conta do divórcio, que é hoje estimada em um valor entre R$ 170 bilhões e R$ 220 bilhões.

A Irlanda é um país-membro da União Europeia, enquanto a Irlanda do Norte é um território britânico. O separatismo na região deixou 3.600 mortos durante três décadas e só foi apaziguado pelo processo de paz de 1998, que prometia a livre passagem entre os países. Com informações da Folhapress. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório