Meteorologia

  • 20 ABRIL 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Vice do Equador é condenado a seis anos de prisão por caso Odebrecht

Jorge Glas se aliou com o então diretor da empreiteira no país, José Conceição dos Santos, em troca de US$ 14,1 milhões

Vice do Equador é condenado a seis anos de prisão por caso Odebrecht
Notícias ao Minuto Brasil

22:42 - 13/12/17 por Folhapress

Mundo julgamento

O vice-presidente do Equador, Jorge Glas, foi condenado nesta quarta-feira (13) a seis anos de prisão por associação criminosa por receber propina da construtora brasileira Odebrecht para beneficiá-la em licitações no país.

O Tribunal Penal da Corte Nacional de Justiça (equivalente ao STJ brasileiro) considerou que Glas se aliou com o então diretor da empreiteira no país, José Conceição dos Santos, em troca de US$ 14,1 milhões (R$ 46,8 milhões).

Segundo o juiz Édgar Flores Mier, o vice foi um dos líderes do esquema, junto com seu tio, Ricardo Rivera, acusado de ser o intermediário da propina da construtora enviada por meio de empresas em paraísos fiscais como o Panamá.

Outras quatro pessoas foram condenadas. Flores ainda considera que há provas para julgar Glas e Rivera por peculato, enriquecimento ilícito, formação de quadrilha, ocultação de bens, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

+ Mendigo rouba 300 mil euros em aeroporto de Paris

O vice é acusado pelo Ministério Público de ter recebido propina para convencer o então presidente, Rafael Correa, a autorizar o retorno da Odebrecht ao Equador em 2010 -dois anos antes ela havia sido expulsa pelo mandatário.

Os promotores afirmam que ele foi beneficiado por subornos para beneficiar a empresa brasileira nas licitações para as construções de uma refinaria, um oleoduto e três projetos hídricos, o maior deles avaliado em US$ 370 milhões.

Glas está em prisão preventiva desde 3 de outubro por determinação da Justiça. Dois meses antes, foi afastado de seu cargo pelo presidente Lenín Moreno, ampliando a crise política com seu padrinho e agora desafeto Correa.

Glas nega as acusações e afirma ser vítima de uma perseguição política ao legado da Revolução Cidadã, alcunha para o governo de Rafael Correa (2007-2017). Após receber a sentença, o vice levantou a mão com o punho em riste.

O julgamento foi acompanhado por dezenas de militantes de sua ala da governista Aliança País. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório