Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Casamento de crianças ganha novo capítulo polêmico na Turquia

Direção de assuntos religiosos está sendo acusada de legitimar agressões sexuais contra as crianças

Casamento de crianças ganha novo capítulo polêmico na Turquia
Notícias ao Minuto Brasil

13:34 - 04/01/18 por Notícias Ao Minuto

Mundo Imprensa

A direção turca dos assuntos religiosos (Diyanet), uma poderosa instituição pública, está sob fogo cruzado, após afirmar que meninas podem casar a partir de nove anos. O jornal Hürriyet publicou que a Diyanet declarou, nesta terça-feira (2), na página digital oficial, que a idade mínima de casamento era de nove anos para as meninas e 12 anos para os meninos.

A declaração, apresentada sob a forma de nota que explicava a lei islâmica, foi apagada da página devido à polémica. Na Turquia, a idade legal para casar é 18 anos, mas a lei turca autoriza o casamento a partir dos 16 anos, em circunstâncias excepcionais.

+ Acidente deixa 12 mortos e cerca de 200 feridos na África do Sul

Ekrem Keles, da Diyanet, afirmou nesta quinta-feira (4), ao Hürriyet que a idade mínima de casamento deveria ser de 17 anos para meninas e 18 anos para meninos. As afirmações geraram forte polêmica na Turquia, onde apesar da lei, o casamento de crianças é uma realidade.

Gaye Usluer, deputado do Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata), principal oposição no Parlamento, acusou o governo de ter interesse "em casar as crianças, quando são necessárias discussões sobre a educação e saúde das crianças".

Grupos de defesa dos direitos das mulheres se juntaram ao coro contra as declarações da Diyanet, acusando-a de legitimar agressões sexuais contra as crianças. O organismo de assuntos religiosos publicou de imediato um comunicado afirmando que "nunca aprovou nem aprovará os casamentos de crianças", e que apenas se limitou a descrever a lei islâmica.

De acordo com a agência France-Presse, grupos de defesa das mulheres lembraram que a declaração foi feita algumas semanas após a promulgação de uma lei que autoriza dos 'muftis', acadêmicos religiosos empregados pela Diyanet, a celebrarem casamentos civis. Homem forte do país desde 2003, o presidente Recep Tayip Erdogan tem sido acusado por setores oposicionistas de querer islamizar a sociedade turca - o que vem firmemente desmentindo. Com informações da Lusa. 

Campo obrigatório