Meteorologia

  • 31 JULHO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ex-líder das Maldivas é preso após governo declarar emergência

País vive crise por presidente não aceitar decisão da Corte

Ex-líder das Maldivas é preso após governo declarar emergência
Notícias ao Minuto Brasil

09:08 - 06/02/18 por Notícias Ao Minuto

Mundo Crise

O governo das Maldivas declarou nesta segunda-feira (6) estado de emergência em meio à crise gerada após o presidente, Abdulla Yameen, não acatar uma decisão do Supremo sobre opositores. Segundo o jornal local, "Mihaaru", pouco depois do anúncio, as autoridades locais prenderam o presidente da Suprema Corte, Abdulla Saeed, e o ex-ditador Maumoon Abdul Gayoom, meio-irmão do atual chefe de Estado, que governou entre os anos de 1978 e 2008.   

+ Suíça e Estados Unidos são os países mais corruptos, diz estudo

Saeed foi detido no interior do Supremo Tribunal em companhia do juiz Ali Hameed, e o adminstrador judicial Hassan Saeed, embora as acusações contra ele ainda não tenham sido reveladas No Twitter, a polícia local afirmou que a detenção do magistrado Hameed ocorreu em decorrência de "uma investigação ainda em curso". De acordo com o advogado de Gayoom, a prisão foi ocasionada por acusações de "propinas a membros do Parlamento, tentativa de propina e tentativa de derrubar ilegalmente o governo".   

Nesta segunda (5), o governo das Maldivas declarou estado de emergência por 15 dias assegurando que "embora alguns direitos sejam restritos, os movimentos em geral, serviços e empresas não serão afetados".   

A decisão ocorre depois que, na última semana, a Suprema Corte ordenou a reabilitação de 12 deputados opositores e a libertação de nove líderes da oposição que estavam presos, entre eles o principal rival político de Yameen, o ex-presidente Mohamed Nasheed, que está exilado no Reino Unido desde 2006, quando viajou após receber uma licença médica na prisão.   

O Supremo do país afirma que as condenações dos opositores foram influenciadas politicamente. No entanto, Yameen não acatou a ordem da Corte, o que gerou protestos da oposição em Male, capital do país.

Além disso, o mandatário enviou uma carta ao órgão em que diz que a ordem invade os poderes do Estado e é uma "violação da segurança nacional e do interesse público". Ele exige que a corte reconsidere as preocupações do governo. 

Nesta segunda (5), o governo das Maldivas declarou estado de emergência por 15 dias assegurando que "embora alguns direitos sejam restritos, os movimentos em geral, serviços e empresas não serão afetados".    A decisão ocorre depois que, na última semana, a Suprema Corte ordenou a reabilitação de 12 deputados opositores e a libertação de nove líderes da oposição que estavam presos, entre eles o principal rival político de Yameen, o ex-presidente Mohamed Nasheed, que está exilado no Reino Unido desde 2006, quando viajou após receber uma licença médica na prisão.   

O Supremo do país afirma que as condenações dos opositores foram influenciadas politicamente. No entanto, Yameen não acatou a ordem da Corte, o que gerou protestos da oposição em Male, capital do país. Além disso, o mandatário enviou uma carta ao órgão em que diz que a ordem invade os poderes do Estado e é uma "violação da segurança nacional e do interesse público". Ele exige que a corte reconsidere as preocupações do governo. Com informações da Ansa.

Campo obrigatório