Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Ato contra embaixada dos EUA deixa 10 mortos e 500 feridos em Gaza

Cerimônia acontecerá às 16h de Jerusalém, e não terá presença de Trump

Ato contra embaixada dos EUA deixa 10 mortos e 500 feridos em Gaza
Notícias ao Minuto Brasil

08:03 - 14/05/18 por Ansa

Mundo protesto

O governo dos Estados Unidos inaugura nesta segunda-feira (14) sua embaixada em Jerusalém em meio aos diversos conflitos realizados por palestinos contra o Exército de Israel para protestarem contra a decisão do presidente Donald Trump. As principais autoridades norte-americanas participarão do evento, marcado para 16h (10h em Brasília), incluindo a filha de Trump, Ivanka, e seu marido, Jared Kushner.

O presidente dos EUA, por sua vez, não estará presente, mas fará um discurso por meio de um vídeo para cerca de 800 funcionários. O dia da cerimônia de inauguração acontece na mesma data em que o Estado de Israel completa 70 anos. A nova embaixada será instalada no bairro de Arnona, em Jerusalém Ocidental, em um prédio construído em 2010, dentro da seção de vistos do consulado-geral dos EUA.   

A decisão de Trump gerou caos na região. Desde 30 de março, milhares protestam na fronteira, na chamada Grande Marcha do Retorno, que evoca o direito dos palestinos de retornarem para locais de onde foram retirados após 1948.   

+ Fim de semana sangrento com ataques terroristas em três países

Nesta manhã, poucas horas antes da inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, o número de mortos nos conflitos entre palestinos e o Exército de Israel chegou a 10, incluindo um adolescente de 14 anos, informou o Ministério da Saúde de Gaza, nesta segunda-feira (14). Ao todo, são 500 palestinos feridos. Segundo a agência, entre as vítimas está Hamdan Qudeih, 21 anos, que foi morto a tiros, e outros 100 palestinos feridos.   

Os conflitos entre os manifestantes e o Exército de Israel tiveram início na Cisjordânia, principalmente em Belém e Hebron, mas foram registrados em outros locais também, como Kalandia, ao norte de Jerusalém. O exército fortaleceu sua presença ao longo da fronteira com mais dois batalhões.   

A decisão do presidente Trump no ano passado de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel rompeu com décadas de neutralidade dos EUA sobre a questão e a colocou em desacordo com a maioria da comunidade internacional.  Neste domingo à noite, Netanyahu recebeu toda a delegação dos Estados Unidos enviada pelo chefe da Casa Branca e definiu o momento como "histórico e corajoso". (ANSA)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório