Meteorologia

  • 28 MAIO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Cônsul de Israel: Mortes em Gaza são fruto da política cínica do Hamas

Dori Goren, representante do país em São Paulo, considera que o grupo islâmico tentar obter simpatia de mídia estrangeira

Cônsul de Israel: Mortes em Gaza são fruto da política cínica do Hamas
Notícias ao Minuto Brasil

18:06 - 14/05/18 por Folhapress

Mundo crítica

Para o cônsul-geral de Israel em São Paulo, Dori Goren, os 55 palestinos mortos e os 2.700 feridos durante os protestos nesta segunda-feira (14) são frutos de uma política cínica do Hamas, grupo islâmico considerado terrorista por Tel Aviv e Washington e que controla a região desde 2007.

O diplomata considera que a única reação que o Hamas deseja com as manifestações iniciadas em 30 de março é obter o número máximo de mortes, para conquistar a simpatia dos meios de comunicação internacionais. Para isso, de acordo com ele, mulheres e crianças são convocadas para a linha de frente dos protestos.

Desde 2014, não havia um dia com tantos mortos em confrontos entre Israel e palestinos, de acordo com a agência de notícias Associated Press. Já são mais de 90 mortos e 10 mil feridos desde o início da onda de protestos, no fim de março.

Segundo Goren, o fato de as manifestações dos palestinos já durarem sete semanas é um sinal de que as forças israelenses estão fazendo todo o possível para que o número de baixas seja mínimo.

Ele afirmou que, em um cenário parecido no Iraque e na Síria, as ações seriam muito mais violentas, com milhares de mortes em poucas horas.

O cônsul disse lamentar as mortes dos palestinos que criticavam a mudança da embaixada americana para Jerusalém e adotou o mesmo discurso do premiê israelense, Binyamin Netanyahu, sobre a necessidade do país ter de defender sua soberania, quando milhares de pessoas ingressar no território de Israel.

+ Potências internacionais pedem moderação israelense em Gaza

Chamados de "a grande marcha de retorno", os atos têm como principal alvo o aniversário de 70 anos da fundação de Israel, que ocorre nesta segunda (14) de acordo com o calendário gregoriano (a comemoração ocorreu em abril no calendário judaico). A data será comemorada em Jerusalém exatamente com a transferência da embaixada americana para a cidade.

O protesto dessa segunda reuniu cerca de 40 mil pessoas em 12 pontos diferentes ao logo da fronteira, de acordo com o governo israelense.

Os palestinos planejam o maior de seus protestos para esta terça (15), quando relembram a "Nakba" (tragédia), como chamam a criação de Israel, quando cerca de 700 mil deles fugiram ou foram expulsos da região.

Outro alvo dos protestos é o bloqueio feito por Israel e Egito contra a faixa de Gaza. Ele foi imposto em uma tentativa de minar o poder do Hamas.

Na prática, porém, a facção conseguiu manter o controle sobre a faixa de Gaza, embora o bloqueio tenha piorado a condição de vida dos cerca de 2 milhões de moradores do local.

Sobre o impacto que as dezenas de mortes podem ter nas negociações de paz com os palestinos, o cônsul-geral de São Paulo disse que Israel está sempre de braços abertos para encontrar uma solução pacífica, mas que "infelizmente não temos com quem falar". Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório