Meteorologia

  • 16 JULHO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Theresa May balança no cargo após saída de chanceler expor racha

Primeira-ministra teve três baixas em sua equipe nas últimas 24 horas

Theresa May balança no cargo após saída de chanceler expor racha
Notícias ao Minuto Brasil

21:22 - 09/07/18 por Folhapress

Mundo reino unido

Na semana em que completa dois anos no poder, a primeira-ministra britânica, Theresa May teve três baixas em sua equipe em menos de 24 horas e enfrenta um dos momentos de maior pressão desde o início do seu atribulado governo.

Entre o domingo (8) e esta segunda-feira (9), renunciaram o chanceler Boris Johnson, o secretário do governo para o "brexit", David Davis, e seu número dois no Departamento da Saída da União Europeia, Steve Baker.

Leia também: Papa diz estar 'profundamente triste' por mortes no Japão

A saída desses que eram alguns dos seus secretários mais importantes, e de maior confiança do partido, está sendo vista como o maior desafio a May desde que os conservadores (tories) perderam a maioria absoluta no Parlamento, em junho do ano passado. Eles dependem de aliança com o norte-irlandês DUP (Partido Unionista Democrático) para ter maioria.

A debandada do governo ocorreu depois que May anunciou, na sexta (6), que seu governo havia chegado a uma posição comum para a criação de uma área de livre comércio entre o Reino Unido e a União Europeia após o "brexit".

Apesar do tom confiante de May, o anúncio foi recebido com fortes críticas dentro do seu partido.

Pelo projeto de manutenção de livre-comércio, o governo britânico se comprometeria a manter regras da UE para bens e produtos agrícolas. Parlamentares a favor de um rompimento mais radical argumentam que a proposta prende o Reino Unido ao bloco e dificulta novos acordos no resto do mundo.

A primeira evidência de que o acordo anunciado era uma ilusão foi registrada dois dias depois, quando Baker e Davis, até então responsável por negociar a saída do país da União Europeia, pediram demissão.

Davis não só saiu, como divulgou uma carta em que criticou as políticas defendidas por May. "A direção geral da política nos deixará, na melhor das hipóteses, numa posição de negociação fraca e possivelmente inescapável", disse.

Nesta segunda (9), Johnson, que havia ajudado a costurar muitos dos acordo do "brexit" dentro do governo, decidiu também abandonar o governo. Em sua carta de renúncia, ele acusou May de se render às demandas da UE.

"O sonho do 'brexit' está morrendo", disse o agora ex-chanceler, afirmando que o país caminha para ser uma colônia da União Europeia.

Ele será substituído pelo deputado conservador Jeremy Hunt, que antes cuidava da pasta da Saúde.

As saídas dos secretários estão sendo tratadas em Londres como um abalo nas bases do governo May.

Davis era visto por muitos entre os tories a favor do "brexit" como um dos principais articuladores para uma saída da UE nos moldes defendidos pelo partido.

Johnson, por outro lado, é um dos políticos mais populares e controversos do país e um dos principais porta-vozes dos defensores do "brexit" no Reino Unido desde antes do plebiscito de junho de 2016.

As renúncias aprofundam a crise no governo e aumentam as chances de novos pedidos de demissão e da convocação de uma votação para retirar a primeira-ministra do poder.

A saída da premiê, porém, não é tarefa fácil. O primeiro passo é o menos complicado: para convocar a votação, é necessário o aval de 48 dos parlamentares conservadores. Para retirá-la do poder, porém, 159 dos 318 deputados do partido precisam concordar.

Um porta-voz de May disse que ela resistirá qualquer tentativa de derrubar seu governo. Em um discurso no Parlamento após as renúncias, a primeira-ministra admitiu divergências internas sobre o "brexit" levaram às renúncias.

A premiê afirmou que a UE precisa trabalhar de maneira construtiva com a proposta de seu governo para que o Reino Unido não deixe o bloco sem um acordo.

May rejeitou a acusação de estar fazendo muitas concessões à UE. Ela argumenta que seu plano é de um divórcio "suave e ordeiro", para que o Reino Unido possa criar suas próprias leis e fazer acordos comerciais.

Na tentativa de estancar a sangria, May escolheu o deputado Dominic Raab para ser o novo secretário do "brexit". Raab, 44, é advogado, foi ministro da Habitação e foi eleito ao Parlamento em 2010. Ele é conhecido por ser forte defensor da saída da UE. Já Baker será substituído por Chris Heaton-Harris.

Segundo a revista The Economist e o jornal The Guardian, a indicação e o discurso de May foram bem-vistos pelo partido e podem indicar que ela vai ter uma postura mais forte nas negociações.

Além da pressão dentro do seu próprio partido, May foi criticada pela oposição. Durante sessão no Parlamento nesta segunda, o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, responsabilizou a primeira-ministra pelo que chamou de "bagunça".

"A equipe apontada por ela para garantir esse acordo para nosso país pulou do barco afundando", disse.

A saída do Reino Unido do bloco está marcada para 29 de março de 2019, e May deve divulgar na quinta (12) a íntegra de seu plano para o "brexit". Mesmo assim, a UE vem advertindo de que o tempo para chegarem a um acordo está terminando.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou nesta segunda-feira que o "brexit" está longe de ser resolvido e que nada mudou após a saída de Davis. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório