Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Bastião de oposição a presidente da Nicarágua vive jornadas de terror

Cerca de 360 pessoas morreram durante os protestos, segundo a ANPDH, na grande maioria civis.

Bastião de oposição a presidente da Nicarágua vive jornadas de terror
Notícias ao Minuto Brasil

06:29 - 19/07/18 por Folhapress

Mundo protestos

Pernas cortadas com bisturi, o filho único de 16 anos desaparecido e uma panela de pressão roubada. Um dia depois da ofensiva das forças do governo Daniel Ortega, a vendedora ambulante Rezaye (nome fictício) chora ao lembrar os momentos vividos no bairro de Monimbó, em Masaya (30 km de Manágua), principal bastião dos protestos oposicionistas.Desde o final da tarde de terça-feira (17), policiais e paramilitares mascarados controlam Monimbó em patrulhas, montados em camionetes, todos com armas de cano longo.

As barricadas, feitas com concreto retirado do pavimento, foram destruídas ou abandonadas.Ao menos nove pessoas morreram durante confrontos em Masaya na terça, segundo a Associação Nicaraguense Pró-Direitos Humanos (ANPDH): cinco paramilitares, três manifestantes e um policial. Um jovem está internado em estado grave.

"Enquanto me cortavam, perguntavam onde estava o meu filho e o nome dos demais meninos", conta Rezaye, 38, enquanto mostra as pernas machucadas. "Cortavam e diziam: 'Fala ou te matamos'.

"A sessão de tortura, relata ela, ocorreu por volta das 10h e durou dez minutos. "Eles me jogaram no chão, me levantaram e me jogaram de novo. Eram três: dois de camisa azul [paramilitares] e um vestido de preto [policial]."

Mas a ambulante já não sabia onde estava o seu filho, estudante do ensino médio. Quatro horas antes, ele havia fugido a pé, levando apenas uma jaqueta. "Tenho medo. Fui dormir fora de casa, temo que voltem a me procurar." O filho dela pode estar na lista dos pelo menos 60 moradores de Masaya desaparecidos desde o confronto de terça, segundo a ANPDH.

Quarta-feira (18) foi dia de enterrar mortos. A despedida do operário têxtil Erick Jimenez, 34, ocorreu no cemitério Campo Santo, no próprio bairro. "Às 6h, os paramilitares e a polícia antimotim estavam espalhados por todo Monimbó", conta a tia Nelly Lopez, 36. A dona de casa afirma que Jimenez saíra para comprar comida quando começou o tiroteio perto da casa da família.

"Uma vizinha chegou tremendo e disse que o meu sobrinho estava caído diante do portão. Saí no meio do tiroteio. A Virgem me cobriu com o seu manto porque nenhuma bala me roçou. Eu o levantei e o abracei e disse: 'Mataram o meu menino'", conta, com os olhos marejados. "Eles me gritavam 'Onde estão os colhões de Monimbó?' e levantavam as armas", lembra. "Só me restou deitar ao lado do meu sobrinho e me encomendar ao Senhor [pedir proteção na morte]." A tia disse que participou das marchas contra Ortega para exigir a liberação de conhecidos presos ao longo dos três meses de protestos contra o governo.

"Eles tiram as pessoas das casas para prender injustamente, para desaparecer com eles. As mães vão ao [centro de detenção] El Chipote e não os encontram. Eles os prendem em lugares clandestinos", afirma Lopez.

Os protestos contra Ortega completaram três meses nesta quarta (18). No início, o motivo era a reforma da Previdência, que cortava benefícios e ampliava contribuições. O governo recuou do projeto, mas, diante da repressão violenta, as marchas passaram a exigir a renúncia do líder sandinista, no poder desde 2007. Cerca de 360 pessoas morreram durante os protestos, segundo a ANPDH, na grande maioria civis. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório