Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Brasileiro é condenado por agredir e deixar mulher em cadeira de rodas

Por causa da agressão, Ahmad sofreu danos cerebrais e foi levada pela família de volta ao Paquistão. Ela recebe cuidados 24 horas por dia

Brasileiro é condenado por agredir e deixar mulher em cadeira de rodas
Notícias ao Minuto Brasil

06:26 - 03/08/18 por Notícias Ao Minuto

Mundo Austrália

Eduardo Santos Abrahão Filho, brasileiro de 28 anos, foi condenado a nove anos de prisão pela Justiça australiana por agredir e deixar paquistanesa Mehreen Ahmad, de 32 anos, em uma cadeira de rodas. O julgamento ocorreu nesta quinta-feira (2).

O brasileiro admitiu a agressão, mas afirmou que foi acidental. De acordo com a imprensa da Austrália, o jovem rezou muito durante o julgamento e ficou vermelho ao ouvir a sentença.

A agressão ocorreu há um ano, na cidade de Perth, Austrália, quando Mehreen Ahmad comemorava o fim do período de provas da faculdade. Segundo a Australian Associated Press, o brasileiro e a paquistanesa haviam se conhecido semanas antes da festa. Eles teriam deixado o local para comprarem cigarros, mas no volta não teriam subido as escadas até o apartamento onde ocorria o evento e ficaram nas escadas.

+Maduro diz ser responsável por fracasso econômico na Venezuela

Abrahão Filho declarou ao juiz que a estudante estava com a boca sagrando, o que o deixou nervoso. O agressor colocou a mão sobre a boca da vítima - o que, segundo testemunhas, foi feito para abafar os gritos da mulher. Ela conseguiu dar um chute no brasileiro. Irritado, o agressor empurrou a cabeça da estudante contra o chão, fazendo com que ela rolasse dois lances de escada.

Ahmad foi encontrada momentos depois por amigos, em volta de uma poça de sangue. O brasileiro tentou fugir, mas acabou preso horas depois.

Por causa da agressão, Ahmad sofreu danos cerebrais e foi levada pela família de volta ao Paquistão. Ela recebe cuidados 24 horas por dia.

Para o juiz que cuidou do caso, o ataque foi brutal e não acidental. O magistrado afirmou que a decisão do brasileiro de fugir foi covarde e insensível.

Eduardo Santos Abrahão Filho deve cumprir ao menos sete anos e meio de reclusão antes de poder obter liberdade condicional.

Campo obrigatório