Meteorologia

  • 17 JUNHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Governo venezuelano nega ter gerado saída em massa de cidadãos

Jorge Arreaza sublinhou que "não há perseguição pelo Estado (venezuelano), em absoluto"

Governo venezuelano nega ter gerado saída em massa de cidadãos
Notícias ao Minuto Brasil

05:11 - 11/09/18 por Lusa

Mundo Caracas

O Governo venezuelano negou nesta terça-feira (11) que as suas políticas tenham gerado uma saída em massa de cidadãos do país ou a existência de refugiados, mas admitiu que quem emigrou o fez por razões exclusivamente econômicas.

"Um refugiado é um perseguido ou a sua vida corre perigo se regressar ao seu país. Na Venezuela não há refugiados, talvez alguém perseguido por alguma máfia, mas não há milhares", disse o ministro venezuelano dos Negócios Estrangeiros aos jornalistas, na Suíça.

Jorge Arreaza sublinhou que "não há perseguição pelo Estado (venezuelano), em absoluto" e que "qualquer venezuelano que tenha saído por razões econômicas pode regressar tranquilamente ao seu país".

O ministro venezuelano reagia às denúncias feitas na segunda-feira (10) pela Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, de que continuam as violações sociais e de direitos econômicos na Venezuela, país onde têm ocorrido casos de mortes por má nutrição ou doenças evitáveis.

+ Bachelet critica política migratória de Trump e crimes na Ásia

A ex-Presidente do Chile fazia o seu primeiro discurso perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, por ocasião da 39ª sessão daquele organismo, tendo denunciado ainda que na Venezuela continuam as detenções arbitrárias, maus-tratos e restrições à liberdade de expressão.

Michelle Bachelet disse estimar-se que, até o último 01 de julho, "2,3 milhões de pessoas tenham fugido da Venezuela - cerca de 7% do total da população - devido, em grande parte, à falta de alimentos ou de acesso a medicamentos e assistência médica crítica, insegurança e perseguição política".

"Este movimento está acelerando. Na primeira semana de agosto, mais de 4.000 venezuelanos entraram diariamente no Equador. Em julho, durante três semanas, 50.000 venezuelanos teriam chegado à Colômbia e há relatórios de que 800 venezuelanos estão entrando diariamente no Brasil", precisou.

Entretanto, através do Twitter, o ministro Jorge Arreaza anunciou que teve um encontro com o Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, em Genebra, na Suíça.

Segundo Arreaza, a reunião teve como propósito unir esforços para dar atenção integral aos estrangeiros refugiados na Venezuela.

"Chegamos a um acordo para expandir a nossa coordenação geral e atenção conjunta aos cidadãos colombianos e de outros países, refugiados na Venezuela", escreveu na sua conta na rede social Twitter.

Antes do encontro, segundo a imprensa venezuelana, Jorge Arreaza reuniu-se com a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, a quem reiterou o compromisso da Venezuela para com a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Com informações da Lusa. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório