Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Putin assiste a manobras militares e diz que 'ama a paz'

Putin falava depois de ter assistido às manobras militares "Vostok-2018", o maior exercício que se realiza na Rússia desde o final da Guerra Fria

Putin assiste a manobras militares e diz que 'ama a paz'
Notícias ao Minuto Brasil

05:17 - 13/09/18 por Lusa

Mundo Rússia

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira (13), durante as manobras militares de grande escala da Rússia, que Moscou "ama a paz" e não tem planos agressivos.

Putin falava depois de ter assistido às manobras militares "Vostok-2018", o maior exercício que se realiza na Rússia desde o final da Guerra Fria.

"A Rússia é um Estado que ama a paz. Não temos e nem podemos ter planos agressivos. A nossa política externa é dirigida à cooperação construtiva com todos os países interessados (na paz)", disse o presidente russo depois de um encontro com os 87 observadores estrangeiros, de 57 países, convidados a assistir às manobras.

Na visita realizada em Tsugol, junto da fronteira com a China e a Mongólia, um dos locais onde se realizam os exercícios, que as Forças Armadas russas devem estar preparadas para defender a soberania e os interesses nacionais e, "se necessário, defender os aliados da Rússia.

+ Putin diz saber a identidade dos suspeitos do ataque a ex-espião

"Hoje, em Tsugol, se concluiu a etapa mais ativa das manobras. Vocês conseguiram realizá-las com alto nível. Todas as unidades e grupos cumpriram as missões que lhes foram destinadas", acrescentou Vladimir Putin.

O presidente russo sublinhou que, pela primeira vez, as Forças Armadas da Rússia pós-soviética foram "submetidas a um difícil exame", se referindo à escala das manobras em que participam 300 mil militares, mais de um milhar de aviões, dezenas de navios e 360 mil veículos blindados.

"Vamos continuar fortalecendo as nossas Forças Armadas, fornecendo-lhes armas e equipamentos de última geração", afirmou Putin que agradeceu, em particular, aos militares da República Popular da China e da Mongólia, que participam nas manobras recordando que durante a II Guerra Mundial (1939-1945) russos e chineses foram aliados.

"Hoje (Rússia, China e Mongólia) cumprem uma importante tarefa comum: juntos são a garantia de estabilidade no espaço eurasiático", frisou. Com informações da Lusa. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório