Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Papa Francisco alerta para reaparecimento do antissemitismo

Pontífice está no 2º dia de sua viagem aos países Bálticos

Papa Francisco alerta para reaparecimento do antissemitismo
Notícias ao Minuto Brasil

15:22 - 23/09/18 por Ansa

Mundo Na Lituânia

No segundo dia de sua visita aos países bálticos, o papa Francisco fez um alerta neste domingo (23), na Lituânia, para que o aumento das ideologias totalitárias na Europa possa ser detectado a tempo. Em seu discurso durante a oração do Ângelus, pronunciado depois da missa na cidade de Kaunas, o Pontífice recordou os dramas do século XX como exemplo de que o "mal procura sempre aniquilar o bem".

"Há 75 anos, esta nação assistia à definitiva destruição do Gueto de Vilna; culminava, assim, o aniquilamento de milhares de judeus, que começara dois anos antes", lembrou o Pontífice, no Parque Santakos de Kaunas, cidade que foi um bastião da resistência católica durante a perseguição soviética.

+ Na Lituânia, Papa diz que cristãos não devem construir muros

A cerca de 100 mil fiéis, Francisco relembrou o sofrimento pela repressão durante a ocupação soviética e a invasão nazista.

"Peçamos ao Senhor que nos conceda o dom do discernimento para descobrir, a tempo, qualquer aumento desse comportamento pernicioso, qualquer ar que atrofie o coração das gerações que não viveram aquilo", disse.

"As gerações passadas sofreram com o tempo da ocupação, com a angústia dos que eram deportados, com a incerteza dos que não voltavam, com a vergonha da delação e da traição", acrescentou.

Segundo Jorge Mario Bergoglio, esta situação fez com que muitos fiéis questionassem sua fé, porque "Deus não apareceu para vos defender, porque o fato de permanecer fiéis não bastou para que ele interviesse na história".    Além disso, ele ressaltou que, ao longo da história, muitas pessoas se julgaram superiores, com a "pretensão de pensar que a sua força é a norma da justiça".

"Submeter os mais frágeis, usar a força sob qualquer forma, impor um modo de pensar, uma ideologia, um discurso dominante, usar a violência ou a repressão para dobrar aqueles que, simplesmente com o seu agir honesto, simples, laborioso e solidário de todos os dias, manifestam que é possível outro mundo, outra sociedade", disse.   

Como medida, o Papa fez uma proposta para ocorrer uma "globalização da solidariedade", ao encontro dos "descartados" da sociedade. Ele pediu para a população se dedicar para dar atenção "aos excluídos, às minorias, para afastar dos nossos ambientes e das nossas culturas a possibilidade de aniquilar o outro, marginalizar, continuar a descartar quem nos incomoda e perturba as nossas comodidades".   

Ontem(22), o Santo Padre já havia afirmado que o século foi marcado por "múltiplas provas e sofrimentos" e, atualmente, diante do cenário mundial em que se vive, há um aumento explícito das vozes que semeiam divisão e contraposição, o que instrumentaliza a insegurança e os conflitos. Após o retorno a Vilnius, o programa do Papa inclui uma passagem pelo Museu da Ocupação e Lutas pela Liberdade na Lituânia, e uma oração pelas Vítimas do Gueto, um memorial do Holocausto. A viagem aos países Bálticos, iniciada neste sábado acontece até a próxima terça-feira (25). Francisco ainda passará por Letônia e Estônia.(ANSA)

Campo obrigatório