Meteorologia

  • 17 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Caso Khashoggi: Turquia diz ter provas que ainda não foram reveladas

Há outras evidências que ainda não tornamos públicas", disse à agência turca Anadolu o ministro de Relações Internacionais da Turquia, Mevlüt Çavusoglu

Caso Khashoggi: Turquia diz ter provas que ainda não foram reveladas
Notícias ao Minuto Brasil

18:38 - 06/11/18 por Lusa

Mundo Jornalista saudita

O governo turco anunciou nesta terça-feira (6) que algumas provas do caso do jornalista saudita Jamal Khashoggi, morto no consulado do seu país em Istambul, no dia 2 de outubro, ainda não foram reveladas. "Temos algumas provas, compartilhamos algumas com o público. Há outras evidências que ainda não tornamos públicas", disse à agência turca Anadolu o ministro de Relações Internacionais da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, durante visita oficial ao Japão.

"Continuaremos compartilhando informações quando tivermos a certeza de que concluímos a investigação", acrescentou.

O Ministério Público turco declarou recentemente que Khashoggi, de 59 anos, foi estrangulado e posteriormente desmembrado no consulado saudita em Istambul, em 2 de outubro.

O jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que viajaram para a cidade turca algumas horas antes e retornaram à Arábia Saudita naquela mesma noite.

"É óbvio que quinze pessoas vieram a Istambul para matar Khashoggi. Receberam a ordem de quem?", questionou Çavusoglu. "É responsabilidade da Arábia Saudita descobrir o que aconteceu ao corpo de Khashoggi e nos dizer por que é que essas quinze pessoas (suspeitas) ainda estão na Arábia Saudita", referiu.

+ Macri anuncia que vai buscar a reeleição em 2019 na Argentina

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, assegurou recentemente em uma coluna publicada no jornal americano The Washington Post que está certo de que a ordem para matar o jornalista dissidente "veio do mais alto nível" do poder da Arábia Saudita.

Entenda o caso

Jamal Khashoggi, de 60 anos, entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, no dia 02 de outubro, para obter um documento para se casar com uma cidadã turca e nunca mais foi visto.

O jornalista saudita, que colaborava com o jornal The Washington Post, estava exilado nos Estados Unidos desde 2017 e era um reconhecido crítico do poder em Riade.

A Arábia Saudita admitiu que Jamal Khashoggi foi morto nas instalações do consulado saudita em Istambul, depois de, durante vários dias, as autoridades de Riade terem afirmado que saíra vivo do consulado. Com informações da Lusa.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório