Meteorologia

  • 16 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Líder chavista canta 'vitória revolucionária' em eleições na Venezuela

Comparecimento é baixo em votação para vereadores quase sem participação da oposição

Líder chavista canta 'vitória revolucionária' em eleições na Venezuela
Notícias ao Minuto Brasil

13:33 - 09/12/18 por Folhapress

Mundo Urnas

A jornada eleitoral deste domingo (9) para eleger vereadores em toda a Venezuela começou cedo e com poucas filas.

Logo de início, o homem-forte do regime e presidente do PSUV, Diosdado Cabello, soltou a seguinte mensagem bélica para estimular as pessoas a irem às urnas: "Bom dia compatriotas, aqui vamos a uma nova vitória das forças revolucionárias, há normalidade na instalação das mesas, fiscais e patrulheiros já a postos para a batalha".

Apesar da mensagem em tom de guerra, nas quatro primeiras horas de votação eram poucas as filas nas regiões do município Libertador, em Caracas, considerado "vermelho", por ser um dos redutos do eleitorado chavista.

+ Protestos na França têm 1.723 detidos e 96 feridos apenas em Paris

Havia mais funcionários para organizar filas, policiais e membros da Guarda Nacional Bolivariana nos principais centros de votação do que eleitores. No Liceu Andrés Bello, na Candelaria, região central, havia um pouco mais de gente.

"Votar é um direito, e eu não perco uma eleição. É apenas dando mais poder a Maduro que vamos poder enfrentar a guerra econômica", diz o aposentado Josue Orejuela.

"Guerra econômica" é um termo muito usado pelo governo em seus discursos para responsabilizar as "potências capitalistas" de debilitar a ditadura de Nicolás Maduro.

"Voto porque se Maduro ficar fraco, posso perder minha casa", diz a vendedora Bety Rodríguez, 52, moradora de um conjunto habitacional construído pela gestão Chávez, em Catia, na região metropolitana de Caracas.

Numa padaria do bairro de Chacao, no lado leste e mais de classe média da cidade, a poucos metros de um centro de votação semivazio, pessoas discutiam.

"Votei porque ficar de braços cruzados dá mais forças a eles, temos que mostrar que ainda estamos resistindo, que há uma oposição, e se não saímos mais às ruas é porque nos matam", diz Andres Salguero, 42, que ouvia críticas da mulher, Araceli. "Você está sendo usado, está legitimando esse regime".

Outras famílias que faziam fila para o pão ou estavam nas mesas do lado de fora tomando seu "marrom" (café com leite) diziam não ter votado e ter outros planos para o dia, desde montar a árvore de Natal a assistir o jogo River Plate e Boca Juniors, final da Copa Libertadores que se disputa nesta tarde, em Madri. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório