Meteorologia

  • 12 AGOSTO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Grupo de Lima responsabiliza regime de Maduro por apagão na Venezuela

Para fórum de países latino-americanos, situação evidencia crise humanitária venezuelana

Grupo de Lima responsabiliza regime de Maduro por apagão na Venezuela
Notícias ao Minuto Brasil

21:45 - 10/03/19 por Folhapress

Mundo Grupo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Grupo de Lima, fórum de 14 países das Américas, responsabilizou neste domingo (10) "exclusivamente" o regime do ditador Nicolás Maduro pelo apagão sem precedentes que afeta a Venezuela deste quinta-feira (7).

Em nota, o grupo afirma que se solidariza com os venezuelanos afetados "pelo apagão que se prolonga há mais de 50 horas" e cita informações não confirmadas de que 18 pessoas foram "vítimas" da falta de abastecimento elétrico em hospitais e clínicas do país.

+ Apagão entra no 3º dia, e Venezuela volta a suspender aulas e trabalho

"Esta situação não faz senão confirmar a existência e a magnitude da crise humanitária que o regime de Maduro se nega a reconhecer", afirma o texto.

"Responsabilizamos exclusivamente o regime ilegítimo de Maduro pelo colapso do sistema elétrico venezuelano."

No sábado (9), a ONG Codevida informou que pelo menos 15 pacientes morreram devido após a paralisação dos serviços de hemodiálise devido ao apagão na Venezuela.

"Entre ontem e hoje [sexta e sábado] são 15 mortes por falta de hemodiálise. Nove das mortes foram em Zulia, duas em Trujillo e quatro no hospital Pérez Carreño de Caracas", informou Francisco Valencia, diretor da ONG.

Segundo ele, a falta de eletricidade é crítica em 95% das 139 unidades de hemodiálise da Venezuela.

O grupo, do qual o Brasil faz parte, reiterou ainda o apoio ao autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

"Somente um governo legítimo surgido de eleições livres e democráticas poderá realizar a reconstrução das instituições, da infraestrutura e da economia do país, de que os venezuelanos necessitam para recuperar sua dignidade, o exercício das liberdades civis e o respeito de seus direitos humanos, após anos de negligência e negação", finaliza o texto.

Campo obrigatório