Meteorologia

  • 21 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

EUA pedem a libertação do chefe de gabinete de Juan Guaidó

O advogado Roberto Marrero foi levado por agentes dos serviços de informação numa operação realizada em Caracas

EUA pedem a libertação do chefe de gabinete de Juan Guaidó

Os Estados Unidos apelaram nesta quinta-feira (21) à libertação imediata do chefe de gabinete do autoproclamado Presidente da Venezuela, Juan Guaidó, após a sua detenção pelos serviços de informação venezuelanos.

"Os Estados Unidos condenam as ações realizadas pelos serviços de informação (do regime do presidente venezuelano Nicolás Maduro) e a detenção de Roberto Marrero, chefe de gabinete do Presidente interino" Juan Guaidó, declarou o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

"Nós apelamos à sua libertação imediata e vamos pedir a responsabilização de todos os envolvidos", disse Pompeo.

As forças de segurança venezuelanas detiveram hoje o chefe de gabinete do líder opositor Juan Guaidó durante buscas na sua casa, anunciou um deputado da oposição.

+ Suspeito de ataque na Holanda será indiciado por terrorismo

O advogado Roberto Marrero foi levado por agentes dos serviços de informação numa operação realizada em Caracas, disse o parlamentar Sergio Vergara, cuja residência fica nas proximidades e que também foi alvo de buscas.

Vergara disse que foi acordado por fortes pancadas na porta e que os agentes lhe apontaram armas.

"Sequestraram Roberto Marrero, chefe do meu escritório (...). A operação começou às 02h aproximadamente. Nós não sabemos do seu paradeiro. Ele deve ser libertado imediatamente", escreveu por seu lado Juan Guaidó, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

+ União Europeia decide hoje se aprova adiar o Brexit

Marrero e Vergara acompanharam Guaidó numa viagem recente a países da América Latina para aumentar o apoio internacional aos seus esforços para remover Maduro da Presidência venezuelana.

Vergara também publicou uma mensagem na mesma rede social sobre este episódio e referiu que as forças de segurança venezuelanas estavam a violar a sua imunidade parlamentar.

Os Estados Unidos e cerca de 50 países da comunidade internacional, incluindo o Brasil, reconheceram o opositor e presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela, negando a legitimidade do governo liderado por Nicolás Maduro.

Na Venezuela, o confronto entre as duas facções tem tido repercussões políticas, econômicas e humanitárias. Com informações da Lusa. 

Campo obrigatório