Meteorologia

  • 21 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

A partir de hoje, gays podem ser apedrejados até a morte em Brunei

Medida implantada por sultão é baseada na sharia

A partir de hoje, gays podem ser apedrejados até a morte em Brunei
Notícias ao Minuto Brasil

09:50 - 03/04/19 por Ansa

Mundo Lei

Entrou em vigor nesta quarta-feira (3), no Brunei, uma lei que pune gays e adúlteros com a pena de morte por apedrejamento.

A medida adotada por esse pequeno país muçulmano de 450 mil habitantes e situado no Sudeste Asiático é baseada na "sharia", a lei islâmica, e suscitou condenações da comunidade internacional e de ativistas pelos direitos humanos.

"Quero ver os ensinamentos do Islã se reforçarem nesse país", declarou nesta quarta o sultão Hassanal Bolkiah, que reina na monarquia absolutista do Brunei desde 1968. A pena de morte por apedrejamento valerá apenas para os cidadãos muçulmanos, que correspondem a dois terços da população do país.

+ Chicago elege sua primeira prefeita negra e lésbica

Crimes somo estupro, roubo, blasfêmia e insulto contra o profeta Maomé também serão punidos com a morte. Já lésbicas estarão sujeitas a penas de 40 chibatadas e 10 anos de prisão, enquanto o crime de furto será punido com a amputação da mão.

Segundo o Serviço de Ação Externa da União Europeia (Eeas), algumas punições previstas no código penal do Brunei "equivalem a torturas, atos de tratamento cruel, desumanos ou degradantes".

"É fundamental que o governo do Brunei garanta que o código penal não viole os direitos humanos", acrescentou a Eeas. A medida também já foi criticada pela ONU, por governos estrangeiros e por celebridades internacionais, como o ator George Clooney e o músico Elton John.

O endurecimento da lei islâmica, adotada pelo sultão em 2013, acontece no momento em que a economia do Brunei dá sinais de desaceleração. (ANSA)

Campo obrigatório