Meteorologia

  • 15 JUNHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Coreia do Norte teria executado cinco dirigentes após cimeira com EUA

Cinco funcionários do governo norte coreano teriam sido executados após encontro entre Kim e Trump, diz jornal

Coreia do Norte teria executado cinco dirigentes após cimeira com EUA
Notícias ao Minuto Brasil

07:00 - 31/05/19 por Notícias Ao Minuto

Mundo Coreia do Sul

Nesta sexta-feira (31), um jornal da Coreia do Sul informou que Pyongyang teria executado o emissário especial para os Estados Unidos, depois do fracasso da segunda cimeira entre os líderes norte-americano, Donald Trump, e norte-coreano, Kim Jong-un.

O diário Chosun Ilbo afirmou que Kim Hyok-chol, responsável pelo trabalho preparatório antes da cimeira de Hanoi, em fevereiro, e que viajou até à capital vietnamita a bordo do trem privado de Kim Jong-un, foi supostamente fuzilado por ter "traído o líder supremo", ao regressar dos Estados Unidos depois da cimeira.

"Kim Hyok-chol foi executado em março no aeroporto de Mirim com quatro responsáveis do Ministério dos Negócios Estrangeiros, na sequência de uma investigação", garantiu o jornal, que citou uma fonte não identificada.

O diário não revelou o nome das outras pessoas que teriam sido executadas.

Kim Hyok-chol era o correspondente do emissário norte-americano Stephen Biegun nas negociações preparatórias da cimeira de Hanoi.

O Ministério da Unificação sul-coreano, que se ocupa das questões intercoreanas, não fez qualquer comentário sobre o artigo do Chosun Ilbo.

O diário indicou ainda que a intérprete de Kim, Shin Hye-hong, foi enviada para um campo de presos, devido a um erro cometido durante a cimeira.

Aparentemente, a intérprete não traduziu a nova proposta de Kim Jong-un, quando Donald Trump declarou que "não havia acordo" e deixou a mesa das negociações, de acordo com o Chosun Ilbo, que citou uma fonte diplomática.

Trump e Kim encurtaram a cimeira de Hanoi, concluída sem qualquer acordo e sem uma declaração comum, devido à impossibilidade de um entendimento em relação ao desmantelamento dos programas nucleares de Pyongyang em troca de um levantamento das sanções econômicas impostas ao país asiático.

Desde então, o Norte realizou já dois testes de mísseis de curto alcance.

Kim Yong-chol, responsável do partido único no poder e correspondente norte-coreano do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, nas negociações sobre a questão nuclear, foi também enviado para um campo de trabalho, acrescentou o mesmo jornal.

Em abril, a comissão parlamentar sobre informações sul-coreana afirmou que Kim Yong-chol tinha sido sancionado pela gestão da cimeira de Hanoi, apesar de ter sido recentemente nomeado para a Comissão de Assuntos de Estado, o primeiro órgão do Estado norte-coreano, presidido pelo líder do regime e herdeiro da 'dinastia' Kim.

As notícias sobre esta suposta execução foram publicadas depois de o Rodong Sinmun, órgão oficial do partido no poder na Coreia do Norte, ter advertido na quinta-feira (30), que os responsáveis que cometam atos hostis ao partido ou antirevolucionários seriam confrontados com o "julgamento severo da revolução".

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório