Meteorologia

  • 04 JULHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Bolsonaro sobre integrantes de seu governo: "a hora deles vai chegar"

Nos últimos dias, Bolsonaro vem se estranhando com seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e chegou a afirmar que seu auxiliar não tem humildade

Bolsonaro sobre integrantes de seu governo: "a hora deles vai chegar"
Notícias ao Minuto Brasil

00:12 - 06/04/20 por Folhapress

Política Ameaça

CBRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Sem citar nomes, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse neste domingo (5) que algo subiu à cabeça de integrantes de seu governo e que "a hora deles vai chegar", pois não tem "medo de usar a caneta".

"Algumas pessoas no meu governo algo subiu a cabeça deles. Eram pessoas normais mas de repente viraram estrelas, falam pelos cotovelos, tem provocações. A hora deles não chegou ainda não. Vai chegar a hora deles. E a minha caneta funciona. Não tenho medo de usar a caneta, nem pavor. E ela vai ser usada para o bem do Brasil. Não é para o meu bem. Nada pessoal meu", afirmou Bolsonaro a um grupo de religiosos que se aglomerou diante do Palácio da Alvorada.

Veja também: Bolsonaro devolve a Guedes poder para definir ações do orçamento

Nos últimos dias, Bolsonaro vem se estranhando com seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e chegou a afirmar que seu auxiliar não tem humildade.A aprovação da condução da crise do novo coronavírus pelo Ministério da Saúde disparou, e já é mais do que o dobro da registrada por Jair Bolsonaro. Governadores e prefeitos também têm avaliação superior à do presidente.

É o que revelou pesquisa do Datafolha feita de quarta (1º) até esta sexta (3). O levantamento ouviu 1.511 pessoas por telefone, para evitar contato pessoal, e tem margem de erro de três pontos percentuais para mais ou menos.

Na rodada anterior, feita de 18 a 20 de março, a pasta conduzida por Luiz Henrique Mandetta tinha uma aprovação de 55%. Agora, o número saltou para 76%, enquanto a reprovação caiu de 12% para 5%. Foi de 31% para 18% o número daqueles que veem um trabalho regular da Saúde.Já o presidente viu sua reprovação na emergência sanitária subir de 33% para 39%, crescimento no limite da margem de erro. A aprovação segue estável (33% ante 35%), assim como a avaliação regular (26% para 25%).

Campo obrigatório