Meteorologia

  • 14 JUNHO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

'Se falar cloroquina é crime, falar em maconha é legal', diz Bolsonaro

A fala do presidente foi dita após um apoiador criticar o projeto de lei 399

'Se falar cloroquina é crime, falar em maconha é legal', diz Bolsonaro
Notícias ao Minuto Brasil

11:59 - 15/05/21 por Folhapress

Política JAIR-BOLSONARO

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores, nesta sexta-feira (14), que falar em cloroquina no país é crime, mas não há problema em falar sobre maconha. A fala do presidente foi dita após um apoiador criticar o projeto de lei 399.


O objetivo do PL399 é aumentar a acessibilidade aos medicamentos à base de Cannabis, autorizando o plantio regulado. Se o Brasil tiver matéria-prima nacional, não dependerá mais da importação de insumos, o que encarece e dificulta o tratamento de pacientes.


"Engraçado, né? Se falar cloroquina é crime, falar em maconha é legal. Jesus também não pode falar, não pode falar em Jesus também não", disse. O vídeo foi publicado por um canal simpatizante do presidente.
Bolsonaro fez a comparação com a cloroquina por ser apoiador do medicamento contra a Covid-19 –o remédio não tem eficácia comprovada para a doença. O assunto tem sido um dos principais da CPI da Covid.


Na última semana, o presidente saiu em defesa do medicamento. Em suas redes sociais, na sexta-feira (7), ele disse que existem diferentes grupos de médicos. Alguns receitam a cloroquina, que seria o primeiro grupo, outros ivermectina, o segundo grupo, de acordo com o presidente.


"Portanto, você é livre para escolher, com o seu médico, qual a melhor maneira de se tratar. Escolha e, por favor, não encha o saco de quem optou por uma linha diferente da sua, tá ok?", afirmou.


Ele tinha voltado a defender o uso de hidroxicloroquina para pacientes de Covid um dia antes, chamou os que se opõem à prescrição do medicamento de "canalhas" e afirmou que a CPI do Senado é uma "xaropada".


"Eu nunca vi ninguém morrer por ter usado hidroxicloroquina, que é largamente usada na região amazônica para combater malária e lúpus", disse. "Canalha é aquele que critica cloroquina e ivermectina e não apresenta alternativa."

Campo obrigatório