Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Tomás, filho de Bruno Covas, reage a Bolsonaro: 'Covarde que nunca saberá o que é amor'

Bolsonaro afirmou a apoiadores na porta do Palácio do Planalto, referindo-se a Covas: "O outro, que morreu, fecha São Paulo e vai assistir a Palmeiras e Santos no Maracanã"

Tomás, filho de Bruno Covas, reage a Bolsonaro: 'Covarde que nunca saberá o que é amor'
Notícias ao Minuto Brasil

11:45 - 03/08/21 por Folhapress

Política TOMÁS-COVAS

MÔNICA BERGAMO (FOLHAPRESS) - O filho do ex-prefeito de São Paulo Bruno Covas (PSDB-SP), Tomás Covas, 15, decidiu se manifestar sobre os ataques desferidos nesta segunda-feira (2) por Jair Bolsonaro (sem partido) contra seu pai, que morreu em maio deste ano após uma longa batalha contra o câncer.

Segundo ele, o presidente fez "uma fala covarde" ao atacar quem não pode mais se defender.
Bolsonaro afirmou a apoiadores na porta do Palácio do Planalto, referindo-se a Covas: "O outro, que morreu, fecha São Paulo e vai assistir a Palmeiras e Santos no Maracanã".

Em janeiro, o então prefeito foi ao Rio de Janeiro assistir à final da Libertadores no Maracanã com Tomás, seu filho único.​

"Lamento a fala dita hoje pelo incompetente e negacionista presidente Bolsonaro. Em uma fala covarde hoje durante a tarde, ele atacou quem não está mais aqui conosco, não dando o direito de resposta ao meu pai. Além disso, cumprimos com todos os protocolos no estádio do Maracanã, utilizando a máscara e sentando apenas nas cadeiras permitidas", afirmou ele em mensagem enviada à reportagem.

"Uma tristeza as agressões vazias do presidente contra meu pai. Não é certo atacar quem não está mais aqui para se defender. Meu pai sempre foi um homem sério e fez questão de me levar ao Maracanã no fim da sua vida para curtirmos seus últimos momentos juntos. Isso é amor! Bolsonaro nunca entenderá esse sentimento", completou.

Na época do jogo, o então prefeito chegou a ser criticado nas redes sociais, e respondeu com uma manifestação em seu perfil no Instagram.

"Depois de 24 sessões de radioterapia meus médicos me recomendaram 10 dias de licença para recuperar as energias. Isso foi até a última quinta (28/01). Resolvi tirar mais 3 dias de licença não remunerada para aproveitar uns dias com meu filho. Fomos ver a final da libertadores da América no Maracanã, um sonho nosso. Respeitamos todas as normas de segurança determinadas pelas autoridades sanitárias do RJ. Mas a lacração da Internet resolveu pegar pesado. Depois de tantas incertezas sobre a vida, a felicidade de levar o filho ao estádio tomou uma proporção diferente para mim. Ir ao jogo é direito meu. É usufruir de um pequeno prazer da vida. Mas a hipocrisia generalizada que virou nossa sociedade resolveu me julgar como se eu tivesse feito algo ilegal. Todos dentro do estádio poderiam estar lá. Menos eu. Quando decidi ir ao jogo tinha ciência que sofreria críticas. Mas se esse é o preço a pagar para passar algumas horas inesquecíveis com meu filho, pago com a consciência tranquila", escreveu ele.

Campo obrigatório