Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Crise econômica e ameaça do zika ganham força com disputa política

Fator Cunha estimula ambiente de guerrilha na Câmara

Crise econômica e ameaça do zika ganham força com disputa política
Notícias ao Minuto Brasil

10:12 - 05/02/16 por Notícias Ao Minuto

Política Pós-carnaval

A guerra política entre governo e oposição e a estratégia de sobrevivência de Eduardo Cunha contribuem para agravar problemas da vida real, como o aumento do desemprego e doenças graves causadas pelo vírus zika, analisa Kennedy Alencar da “CBN”.

Segundo o comentarista, há sinais claros de que, após o Carnaval, um ambiente de guerrilha parlamentar dominará a Câmara, apesar do gesto correto da presidente Dilma Rousseff de ter ido ao Congresso na última terça apresentar pessoalmente a mensagem do Executivo.

No Senado, a vida do governo deverá ser um pouco menos difícil, mas já há duas propostas engatilhadas pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), que desagradam ao governo.

Renan quer votar a autonomia operacional do Banco Central, dando mandato a seu presidente e diretores. Também deseja colocar em pauta o projeto do senador José Serra, do PSDB paulista, que flexibiliza a regra que obriga a Petrobras a ser única exploradora do pré-sal e ter no mínimo 30% do empreendimento.

Dilma não tem força para se opor às duas propostas. No caso do Banco Central, a decisão se dará pelo confronto de forças no Senado, com pouca margem de intervenção do governo. Em relação à Petrobras, como a empresa está altamente endividada, Dilma é contra, mas aceita a realidade que ela ajudou a criar. A estatal não tem como encarar essa empreitada na situação atual, sem capacidade de investimento e com preço baixo do barril de petróleo.

Mas é

na Câmara que a coisa tende a pegar fogo. Deputados voltarão do Carnaval muito valorizados para decidir sobre o pedido de abertura de processo de impeachment. O governo terá de se concentrar nessa batalha.

Ainda de acordo com Kennedy Alencar, a estratégia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, é arrastar essa discussão no tempo, esperando que a piora econômica convença deputados a votar a favor do impeachment. O PSDB tenta tirar proveito das investigações contra o ex-presidente Lula. O PT ameaça rebater, criando CPIs para investigar casos de corrupção tucanos.

Campo obrigatório