Meteorologia

  • 17 MAIO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Na contramão do governo, Moro defende vacinação contra covid para entrar no País

Na avaliação de Moro, "a postura antivacina do presidente já foi longe demais"

Na contramão do governo, Moro defende vacinação contra covid para entrar no País
Notícias ao Minuto Brasil

14:15 - 01/12/21 por Estadao Conteudo

Política Pandemia

Reforçando suas divergências contra o atual governo para despontar como candidato à Presidência em 2022, o ex-juiz Sergio Moro (Podemos-PR) defendeu, nesta quarta-feira (1º), a obrigatoriedade do comprovante de vacinação contra a covid-19 para ingressar no Brasil. Na avaliação de Moro, "a postura antivacina do presidente já foi longe demais".

"Para não comprometer ainda mais a saúde e a economia do Brasil, é preciso exigir vacinação de quem ingressa no país", declarou Moro, em publicação no Twitter nesta manhã. "Volto a dizer: com mais de 615 mil mortes, a postura antivacina do presidente já foi longe demais. Estamos falando de vidas humanas", seguiu.

A declaração de Moro ocorre após a reunião entre representantes do governo e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na noite de terça-feira (30), para discutir um eventual aperto nas fronteiras aéreas do País em razão da variante Ômicron do coronavírus terminar sem resolução. Conforme mostrou o Broadcast Político, o encontro aconteceu no Palácio do Planalto e reuniu o diretor da Anvisa Alex Campos com os secretários-executivos dos Ministérios da Saúde, Casa Civil, Justiça e Infraestrutura. Os ministros não participaram.

Na saída da reunião, Campos limitou-se a dizer a jornalistas que não houve decisão e que aguarda a convocação de uma nova rodada de conversa pela Casa Civil.

A agência reguladora emitiu notas técnicas e tem ampliado pressão para a adoção do comprovante de vacinação no País, tanto nas fronteiras terrestres quanto aéreas. Com a transmissão da nova cepa, na sexta-feira (26), o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, seguiu recomendação da Anvisa e anunciou restrição de voos e passageiros vindos da África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

Campo obrigatório