Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Servidores do Judiciário querem que Fux contrarie Bolsonaro e defenda reajuste a todas as categorias

Ao menos 19 categorias de servidores podem começar a paralisar atividades para elevar a pressão contra o governo por reajustes salariais

Servidores do Judiciário querem que Fux contrarie Bolsonaro e defenda reajuste a todas as categorias
Notícias ao Minuto Brasil

07:11 - 13/01/22 por Folhapress

Política GOVERNO-SERVIDORES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Fenajufe, federação representativa dos servidores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União, decidiu solicitar nesta quinta-feira (13) uma audiência para pedir que Luiz Fux, presidente do STF, se coloque em defesa da isonomia na concessão de reajuste a todas as categorias, e não apenas os policiais.

A Fenajufe é uma das entidades que tem se mobilizado após Jair Bolsonaro prometer aumento apenas para os policiais em 2022. Há uma paralisação de servidores marcada para 18 de janeiro, e a possibilidade de uma greve em fevereiro tem ganhado tração.

"Os servidores do Poder Judiciário da União encontram-se apreensivos tendo em vista a crise econômica existente no país, o crescente aumento da inflação e a grande defasagem salarial que já perdura desde o último reajuste em 2019", diz o ofício que será entregue pela federação a Fux.

"A reunião tem por objetivo de garantir a autonomia do Judiciário na questão orçamentária e pedir ao ministro Fux que ele se posicione a favor do princípio da isonomia, que existe na Constituição, e que o reajuste seja para todos e não só para a base bolsonarista", diz Thiago Duarte Gonçalves, Coordenador de Administração e Finanças da Fenajufe.

Ao menos 19 categorias de servidores podem começar a paralisar atividades para elevar a pressão contra o governo por reajustes salariais.

Assembleias ainda precisam ser feitas nos próximos dias para confirmar as adesões, o que é esperado em boa parte dos casos pelos dirigentes do fórum. Além das paralisações já planejadas, os servidores vão discutir em fevereiro uma possível greve.

Campo obrigatório