Meteorologia

  • 27 JUNHO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Gettr: rede usada por bolsonaristas fica fora do radar do TSE

A ferramenta prevê atingir no segundo semestre deste ano a marca simbólica de 1 milhão de usuários no Brasil.

Gettr: rede usada por bolsonaristas fica fora do radar do TSE
Notícias ao Minuto Brasil

12:05 - 18/06/22 por Folhapress

Tech REDE-SOCIAL

FÁBIO ZANINI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Rede social muito apreciada por bolsonaristas, o Gettr tem ficado fora do radar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em suas ações para combater a desinformação eleitoral.
A ferramenta prevê atingir no segundo semestre deste ano a marca simbólica de 1 milhão de usuários no Brasil.


Atualmente, são cerca de 750 mil, o que faz do Gettr, lançado há cerca de um ano, uma plataforma ainda modesta em comparação com outras como Twitter, Instagram e TikTok, mas com penetração crescente na direita brasileira.


O Gettr foi criado por Jason Miller, que foi porta-voz do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Em 11 e 12 de junho, ele participou da Cpac, conferência conservadora realizada em Campinas (SP), da qual sua empresa foi uma das patrocinadoras.


Ao contrário de sua visita ao Brasil no ano passado, quando foi retido no aeroporto de Brasília para prestar depoimento no âmbito do inquérito das fake news, Miller, CEO da rede, desta vez deixou o país sem problemas.


O TSE afirma que, no momento, apenas acompanha o desempenho da ferramenta no país.


Ao Painel, Miller diz que está aberto a colaborar. "Temos representação jurídica no Brasil. Nossos advogados fizeram contato com STF (Supremo Tribunal Federal) e TSE e fomos comunicados de que não somos alvos de nenhuma investigação", afirmou.


O Gettr está buscando consolidar sua presença no Brasil com uma grade de programação que inclui lives diárias de alguns dos principais influenciadores bolsonaristas, como Allan dos Santos e Fernando Lisboa. Desde o começo do ano, afirma Miller, essas lives já tiveram mais de 140 milhões de visualizações.


Também passou a publicar anúncios publicitários em veículos alinhados ao governo, com a Jovem Pan, e planeja abrir um escritório no Brasil.


O país já é o segundo maior mercado da rede no mundo, respondendo por 14% dos seus usuários, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.
O Gettr pretende crescer com o discurso, comum entre bolsonaristas, de que defende a liberdade de expressão.


"Nós queremos mostrar que é possível apoiar a liberdade de expressão, mas, também, ser uma plataforma responsável, que não permita atividades ilegais, ou discurso de ódio", afirma Miller.


Também há críticas frequentes ao poder das chamadas "big techs", as grandes empresas de tecnologia, que frequentemente removem conteúdo considerado falso.


"Percebo que há um sentimento no Brasil de que as big techs trataram a América Latina com uma forma de colonialismo digital. Nosso objetivo é diferente", afirma o CEO.


Miller prevê um aumento de interesse pela sua plataforma quanto mais houver casos de "ataque à liberdade de expressão" no Brasil.
O banimento por alguns dias em março do Telegram, outra rede popular entre bolsonaristas, foi um momento em que o Gettr registrou um pico de novos seguidores.


Mas a ideia, reforça Miller, é colaborar com o TSE. "Aqui não temos problema com caixa de spam", ironiza, em referência à explicação dada pelo Telegram por ter ignorado os emails de contato da Justiça Eleitoral.

Campo obrigatório