Meteorologia

  • 20 NOVEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

55 a 22 votos: veja como foram as 20 horas de votação no Senado

Dilma é a segunda presidente afastada para ser julgada politicamente pela acusação de crime de responsabilidade desde a redemocratização

Notícias ao Minuto Brasil

12:57 - 11/05/16 por Notícias Ao Minuto

Política Afastamento

A sessão para votação sobre a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff iniciou na manhã desta quarta-feira (11) e se estendeu durante a madrugada no Senado Federal.

A abertura do processo de impeachment foi aprovada e a presidente Dilma deverá ser afastada do cargo pelo período máximo de 180 dias, até ser julgada pelo STF.

Resultado:

SIM - 55 votos

NÃO - 22 votos

O processo de impeachment foi aprovado. Veja o que acontece agora!

06h33 Senadores estão em seus lugares para votar

06h32 Renan explica que a votação será através de painel eletrônico e é necessário maioria simples para que o processo seja aprovado

06h25 Antes de abrir a votação, o presidente do Senado afirmou que a nação está passando por um período complicado da história

06h21 Renan Calheiros diz que inicia agora a votação sobre a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff

06h18 Renan Calheiros lê neste momento um texto escrito pela senadora Rose de Freitas

06h17 José Eduardo Cardozo disse que, se o impeachment for conssumado, haverá um rompimento inscontitucional

06h16 Cardozo disse que se está neste momento condenando uma mulher honesta. O advogado-geral da União falou ainda em condenação de uma inocente

06h12 O defensor da presidente ficou exaltado e declarou que todo o país sabe que Cunha cometeu desvio de poder. Cardozo destacou que está em curso um "golpe", pois a Constituição está sendo desrespeitada

06h10

Cardozo afirmou ainda que o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) usou de chantagem e vingança para abrir o processo

06h03 Cardozo destaca que

"não existem crimes de responsabilidades neste processo". Segundo o advogado, os decretos não foram assinados para desvio de dinheiro. Cardozo explica que foram assinados créditos suplementares utilizados em programas do governo

06h01 José Eduardo Cardozo, Advogado-Geral da União, inicia a sua fala em nome da defesa da presidente Dilma Rousseff

06h Antonio Anastasia (PSDB-MG) finalizou o seu discurso elogiando o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, que fará a defesa da presidente Dilma.

05h55 Senador Anastasia (PMDB-MG) diz que usou um discurso da presidente Dilma sobre a Caixa Econômica Federal para argumentar que a petista cometeu crime de responsabilidade

05h48 Anastasia (PSDB-MG) destacou que Dilma cometeu crimes de responsabilidade e comentou detalhes do seu relatório sobre o processo

05h45 Está encerrada a discussão; o relator do processo Antonio Anastasia (PSDB-MG) terá 15 minutos para falar

05h44 Raimundo Lira é o último inscrito para falar na sessão; o senador declarou que vota pela adminissibilidade do processo de impeachment

05h41 Senador Raimundo Lira (PMDB-PB), presidente da Comissão Especial do Impeachment no Senado, é o 71º a discursar na tribuna

05h36 Senador Edison Lobão

(PMDB-MA),

é o 70º orador da sessão.

"A votação de hoje não encerra o processo, mas autoriza a abertura dele", afirma o senador Edison Lobão (PMDB-MA)

05h32 O senador Jucá diz que Temer é um homem honrado e merecia elogios do Partido dos Trabalhadores

05h30 Jucá diz que "o impeachment é algo legítimo". "Estamos aqui votando um relatório competente do senador Antonio Anastasia", declarou o senador

05h24 68 dos 71 inscritos já falaram, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) é o 69º orador da sessão que já dura quase 20 horas

05h20 Benedito de Lira afirma que é necessário julgar a presidente Dilma com imparcialidade e justiça

05h15 Senador Benedito de Lira (PP-AL) é o 68º orador a discusar na sessão do Senado; ainda faltam três inscritos

05h11 Ivo Cassol (PP-RO) afirmou que será favorável ao impeachment. Segundo ele, as investigações deverão dizer se a presidente Dilma cometeu ou não crime de responsabilidade

05h07 Segundo discursos já feitos até o momento, 43 senadores votarão a favor do impeachment de Dilma

05h03 Ainda faltam cinco senadores para discursar. O senador Ivo Cassol (PP-RO) inicia sua fala na tribuna

04h59 O senador Ciro Nogueira (PP-PI) é o 66º a discursar na sessão do Senado.

Ciro Nogueira diz que nunca foi um entusiata do impeachment.

Para ele, o governo perdeu sua capacidade de sustentação.

"O impeachment não é uma solução fácil", afirma o senador

04h50

"Certamente, o dia de hoje não é um dia de festas. Nem para mim, nem para o Senado Federal", afirmou o senador Davi Alcolumbre

04h46

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) é o 65º a falar

04h43

"Mais uma vez Dilma Rousseff está sendo vítima de um julgamento injusto", diz o senador Humberto Costa.

04h40 Humberto Costa mostra uma foto antiga de Dilma Rousseff, durante o período em que ela foi torturada no período da ditadura militar.

04h37 Senador diz que processo é

ilegal e imoral.

04h32

"É uma farsa o crime de responsabilidade que tentam imputá-la", diz o senador Humberto Costa (PT-PE).

04h31 "Dilma é uma mulher honesta", começa o senador. Ele diz que a frase não é dele, mas do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

04h30 Senador Humberto Costa (PT-PE) fala.

04h29 Serra pede que seja feita a reforma política e que judiciário, executivo e legislativo unam forças.

04h28 "O impeachment não representa a solução dos problemas do país", mas já é um começo, diz o senador tucano.

04h17 Serra diz que é a favor do impeachment, mas sem alegria.

04h16 José Serra (PSDB-SP) fala.

04h12 O senador faz duras críticas à coalizão PT-PMDB e não deixou claro se votará contra ou a favor do impeachment.

04h

"É um dos momentos mais tristes para quem já passou pelo Parlamento", diz o senador.

03h59 Senador Walter Pinheiro (sem partido-BA) fala.

03h52 Dalirio diz que pedido de impeachment é irretocável.

03h50

O senador Dalirio Beber (PSDB-SC) fala.

03h45 Pimentel:

"Estamos afastando uma presidente que não cometeu nenhum crime".

03h36

"Ninguém é condenado pelo conjunto da obra", diz o senador José Pimentel (PT-CE).

03h35

O senador José Pimentel (PT-CE) fala.

03h34 O senador

termina sua fala e passa a palavra para José Pimentel (PT-CE)

03h31 Donizeti Nogueira compara o governo do PT com o anterior, de FHC.

03h30 "Não ganha no voto, tem que puxar o tapete, tem que dar o golpe", dispara o senador.

03h27

O senador Donizeti Nogueira diz que se está enganando o povo brasileiro.

03h22 O relatório de Anastasia parte, na opinião do senador, de premissas falsas, pois Dilma não cometeu crime de responsabilidade fiscal.

03h21 Nogueira destaca que esse golpe tem semelhança com outros momentos da história e cita os nomes de JK e Jânio Quadros.

03h19

O senador Donizeti Nogueira (PT-TO) começa sua fala.

03h10 O senador afirma que "Meus colegas tentam dividir o Brasil", fazendo uma referência aos discursos dos senadores contrários ao afastamento.

03h06 Começa a fala de

Blairo Maggi (PR-MT).

03h05 Roberto Rocha afirma que sua posição não revela nada pessoal contra Dilma, ressaltando que sempre foi tratado de uma maneira republicana por ela. Mas que se baseia em aspectos legais imputados na denúncia e, por isso, vota pela admissibilidade.

03h03 O senador começa cumprimentando Renan Calheiros por ter ido contra a decisão de Waldir Maranhão em anular o processo do impeachment.

03h02 Começa a fala de

Roberto Rocha (PSB-MA).

03h00 O senador pergunta: "a quem interessa o impeachment?" e completa: "com a democracia, tudo; sem a democracia, nada".

02h53 Senador questiona qual governador ou prefeito não cometeu pedaladas fiscais.

02h49 Senador diz que o vice-presidente Michel Temer quer chegar ao poder "pela porta dos fundos".

02h48 Paulo Paim diz que o governo Temer vai mudar leis trabalhistas.

02h47

O senador Paulo Paim (PT-RS) fala: "Nunca vivi um momento tão constrangedor".

02h42 Flexa Ribeiro afirma ser favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.

02h38 Senador diz que Dilma mentiu aos brasileiros e que continua mentindo até hoje.

02h34 Senador interpreta na Constituição artigo que diz que as pedaladas fiscais são crimes.

02h32 Flexa diz que hoje os parlamentares estão cumprindo a Constituição.

02h31

O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) fala.

02h27 Gleisi diz que a elite se incomoda com os direitos trabalhistas, com o protagonismo das mulheres, com os pobres que ocupam espaços que antes eram exclusivos dos ricos.

02h26 A crise econômica que o país vive tem base na crise internacional, diz a senadora.

02h23 A senadora diz que o relator do processo de impeachment, o senador Anastasia, cometeu muitas pedaladas fiscais durante seu governo de Minas Gerais.

02h21 Gleisi diz que os opositores da presidente Dilma tiveram que buscar no orçamento público uma razão para tirar uma presidente sobre quem não recai nenhuma acusação de crime.

02h20 Ela começa falando que 30 anos nos separam da ditadura militar.

02h19 Senadora

Gleisi Hoffmann (PT-PR) fala.

02h17 Placar até agora, segundo as falas de 53 dos 71 senadores inscritos (de um total de 81)

Pró-afastamento de Dilma: 38

Contra o afastamento: 14

Indefinido: 1

02h14

O senador diz ser favorável ao processo de impeachment da presidente da Dilma.

02h08

Fagundes destaca que a situação atual "é grave e preocupante".

02h06 O senador Wellington Fagundes (PR-MT) fala.

01h58 Senador diz que Dilma cometeu pecado político e que as pedaladas fiscais foram ferramentas para enganar a população brasileira.

01h55 "É constrangedor estarmos aqui pela segunda vez em menos de um quarto de século", diz o senador.

01h54

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) fala. Ele ressalta que pela segunda vez na vida participa de um processo de impeachment.

01h53

Senadora afirma ser favorável ao impeachment da presidente.

01h52

A senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE) fala.

01h51 "Nosso governo foi quem tirou o Brasil do mapa da fome", diz o senador.

01h46 "É um governo imoral, entreguista, antipopular", disse o senador Paulo Rocha (PT-PA) sobre o futuro governo de Temer.

01h42 O senador Paulo Rocha (PT-PA) disse que o impeachment é um processo que foi motivado por uma vingança do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Ele afirmou que

a história não esquecerá os golpistas e os aproveitadores.

01h39

"As cartas já estão dadas", disse Paulo Rocha. Ele ainda afirmou que Dilma "não cometeu crime de responsabilidade" e que o governo foi conduzido por uma pessoa honesta. "Nada, absolutamente nada pode ser atribuido a presidente".

01h37

O senador destacando que está há menos de 2 anos no Senado.

01h33 Senador Paulo Rocha

(PT-PA)

inicia sua fala.

01h31 O senador finaliza sua fala dizendo que nunca reconhecer´um governo de Michel Temer e aproveitou para enviar um recado à Dilma: "presidente, saia daquele Planalto de cabeça erguida, pois a história lhe dará razão".

01h26

"O PSDB se alinhou aos capitães do golpe, Eduardo Cunha e Michel Temer", acusou o senador

Lindbergh Farias (PT-RJ).

01h23 Farias disse que

"Para a história de nosso país, isso aqui vai passar como um golpe parlamentar", afirmou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). "A maioria da população vai reconhecer isso aqui como um golpe."

01h20

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) usou sua fala para citar o golpe de 1964. Ele destacou que, assim como agora, o golpe foi vendido como algo democrático.

01h11 "Dilma fez mais pela Bahia do que Lula em oito anos e Fernando Henrique em oito anos", diz o senador.

01h08 Senador diz que o grande erro do governo foi o rateio de cargos de direção e dos ministérios, mas que a presidente não indicou diversos cargos importantes e sim seu partido, o PT.

01h06 O senador diz que Dilma com certeza cometeu erros, mas que tem uma certeza: a presidente Dilma não cometeu nenhuma falha moral.

01h05 Otto Alencar diz que Dilma não tinha como se livrar do cerco montado a ela por Eduardo Cunha, que usou de artifícios como pautas-bomba. "Não creio que a presidente Dilma ou qualquer outro presidente pudesse fazer melhor".

01h03

Senador Otto Alencar (PSD-BA) fala.

00h51 Senador fala sobre as pedaladas fiscais.

00h51 Senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) fala.

00h50 Lídice encaminha voto contrário ao afastamento da presidente.

00h42 Lídice diz que Lula e Dilma representam uma melhoria a milhares de brasileiros.

00h38

Lídice destacou que o processo é político e contaminado por uma grave pecado, já que foi aberto por um presidente da Câmara investigado por corrupção.

00h34 A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) fala.

00h26 Capibaribe encaminha voto contrário ao impeachment.

00h24 Capibaribe diz que a culpa pela crise política é do PT e do PMDB que os dois partidos deveriam apoiar novas eleições.

00h22

O senador João Capiberibe (PSB-AP) fala.

00h13

O senador disse

que faltou autocrítica à presidente Dilma e vota pelo impeachment.

00h12

Senador Omar Aziz (PSD-AM) fala.

00h12 Placar até agora, segundo as falas de 43 dos 71 senadores inscritos (de um total de 81)

Pró-afastamento de Dilma: 33

Contra o afastamento: 9

Indefinido: 1

23h59 Garibaldi diz que acolhe o parecer do senador Anastasia.

23h58

O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) fala que não é ocasião para agir apaixonadamente ou lançar mão de frases de efeito, ataques pessoais ou partidários.

23h55

Senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) fala.

23h52

"O PT não pode mais administrar a coisa pública como se fosse um bem pessoal", disse Cameli.

23h50

Senador Gladson Cameli (PP-AC) fala.

23h39

Bauer diz que o processo foi debatido porque é político.

23h35

O senador Paulo Bauer (PSDB-SC) fala.

23h34

Raupp citou todos os problemas enfrentados pelo país.

23h29

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) fala.

23h20

Valadares diz que o governo deixou a inflação voltar.

23h13

O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) fala.

23h12

O presidente do Senado, Renan Calheiros, agradece o grande registro histórico feito pelo senador Fernando Collor.

23h04 Collor continua sua fala, afirmando que, em sua visão,

o maior crime de responsabilidade se encontra no desleixo com a política, na irresponsabilidade com os déficits fiscais e na ação ou omissão em relação a decisões da justiça.

23h01 O senador Fernando Collor, que em 1992 sofreu um processo de impeachment,

diz que foi instado a renunciar e, dois anos depois, foi absolvido de todas as acusações. "Mesmo assim perdi meu mandato e não recebi qualquer tipo de reparação."

23h00

"Chegamos às ruínas de um governo, às ruínas de um país", disse Collor ao afirmar que nunca o Brasil viveu uma crise como a atual. O senador ainda pediu agilidade, afirmando que

em 1992 foram apenas quatro meses entre a apresentação da denúncia e sua decisão de renunciar.

22h59

Collor relembra a denúncia que, em 1992, foi apresentada contra ele.

22h58

O senador Fernando Collor (PTC-AL) inicia sua fala.

22h55 Monteiro defende que o país passe por reformas.

22h50 "Afastar uma presidente da República é um fato que por si só se constitui num gravissimo precedente", diz Monteiro.

22h45 Ele dá seu testemunho, dizendo que algumas medidas do governo não foram implantados por conta do clima de polarização.

22h41 Como ex-ministro

do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o senador afirma que não podia deixar de defender o governo que pertenceu até ontem.

22h40 Senador Armando Monteiro (PTB-PE) fala.

22h37 Regina diz que o golpe foi dado para que os mais ricos possam voltar a ter seus privilégios e que as minorias irão "pagar o pato".

22h30 Senadora diz que houve vazamento seletivo, contra um único partido, "o Partido dos Trabalhadores".

22h28 Senadora Regina Sousa (PT-PI) diz que não houve crime e que o processo é essencialmente político - primeiro decidiu-se que ela teria que sair, e depois foram procurar um crime.

22h25

Cássio Cunha Lima pede que através do diálogo, em um ambiente de paz, se possa construir um novo tempo.

22h11

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) fala.

22h

Hélio José (PMDB-DF) diz que o voto pela admissão ou não do processo deve ser estudado com muita cautela.

21h56

O senador Hélio José (PMDB-DF) fala.

21h48

Reguffe diz que tal como uma pessoa não pode gastar mais do que o seu salário, um governo não pode gastar mais do que arrecada.

21h41

O senador Reguffe (sem partido-DF) fala.

21h37 Senadora diz que o relatório do senador Anastasia é fraco e não se sustenta.

21h30 Senadora diz que não se fala do crime que a presidente cometeu porque não há crime. "Impeachment sem fundamentação jurídica que lhe dê validade é golpe".

21h29 Grazziotin diz que os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio da Silva e governadores dos estados cometeram as chamadas "pedaladas fiscais".

21h27 Senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) fala.

21h22 Lasier fala sobre as acusações contra o senador Delcídio do Amaral.

21h17

Lasier diz que Dilma prometeu que terminaria 2015 com superávit primário, o que não aconteceu.

21h11 Senador Lasier Martins (PDT-RS) fala.

21h09 Randolfe pede que TSE acelere o julgamento das contas eleitorais.

21h05 "Não posso chancelar a subida desse governo que eu tanto combati", diz o senador.

21h01 Randolfe

diz que o atual governo está sendo vítima de algozes que ao longo do tempo foram aliados.

20h59 Randolfe diz que seu partido está dividido.

20h57 O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) fala.

20h53

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ)

pede que os senadores sejam justos e não justiceiros e encerra sua fala.

20h50 Requião diz que os nomes indicados para os ministérios de Temer são equivocados e diz que é contra a saída de Dilma da presidência. "Meu voto é contra essa besteira de impeachment".

20h49 Requião diz que Temer vai levar o país à uma crise muito maior. Ele diz que o impedimento da presidente não é a saída e que o país está no caminho errado.

20h47 Requião diz que a política econômica proposta por Temer é a mesma política neoliberal que foi empregada na Europa, que levou o velho continente à crise.

20h43 Senador critica projeto "Ponte para o Futuro" do vice-presidente Michel Temer (PMDB).

20h40 Requião diz que

diz que é evidente que não aconteceu crime de responsabilidade fiscal e que se ele tivesse ocorrido teria sido em 16 estados brasileiros.

20h35 Senador Roberto Requião (PMDB-PR) inicia sua fala.

20h33 Senador diz que o Brasil vai recomeçar do zero para reconquistar os avanços obtidos no plano Real.

20h28

Senador Mola diz que "estamos diante de um governo negligente, que não reconhece os seus erros, e tem o capricho de atribuir a culpa a fatores políticos ou mesmo à oposição no Congresso."

20h21 Senador Waldemir Moka (PMDB-MS) fala.

20h10 Álvaro Dias

diz que se as providências adequadas tivessem sido adotadas a tempo, o país não estaria vendo "esse monumental e histórico rombo" nas finanças.

20h07 Governo cometeu, segundo o senador, "O crime de responsabilidade, com dolo, denominados de pedaladas fiscais, além da fraude dos decretos assinados sem a autorização do Congresso Nacional".

20h05 Senador Álvaro Dias (PV-PR) fala.

20h02 "Governo termina nessa noite", diz o senador Wilder.

19h59

Romero Jucá (PMDB-RR) e Edison Lobão (PMDB-MA) se inscreveram para discursar. Número de inscritos subiu para 70.

19h58 Wilder Morais

diz que o isolamento da presidente a tornou uma ilha cercada de problemas por todos os lados.

19h55

O senador diz que afirmar que o processo é golpe é defender que os governantes possam praticar arbitrariedades sem serem responsabilizados.

19h54 Senador Wilder Morais (PP-GO) fala.

19h52 Ao encerrar, Aécio cita o avô, Tancredo Neves, votando a favor da admissibilidade do impeachment.

19h51 "Seria como tirar o ar que respiramos retirar a história tal como ela é", diz o senador.

19h50 Aécio relembra o período das eleições de 2014, dizendo que na época já alertava a presidente sobre as "pedaladas fiscais".

19h49 O senador continua dizendo que foi a irresponsabilidade fiscal da atual presidente do governo nas contas públicas que fez com que os brasileiros voltassem às classes D e E.

19h47 Senador diz que o desequilíbrio das contas públicas levou o país a uma crise econômica e "à maior recessão do período republicano".

19h45 "Foi o povo que fez isso. Foram os brasileiros que foram às ruas", diz o senador.

19h41 Aécio cita Afonso Lino de Melo Franco para elogiar o relator do processo do impeachment no senado: "Vossa Excelência, senador Anastasia, compôs uma histórica peça jurídica e política".

19h40 Ele

diz que não está na tribuna para votar contra uma pessoa, nem a favor ou contra um partido. "Estamos aqui hoje para cumprir com nosso dever constitucional de analisar a admissibilidade de um processo contra a presidente que foi aprovado por mais de dois terços da Câmara."

19h40 Ofegante, Aécio inicia a leitura de seu voto.

19h39 Senador Aécio Neves (PSDB-MG) fala.

19h38 Renan Calheiros pede que parlamentares voltem para o plenário.

19h31 Amorim afirma que vai votar pelo impeachment.

19h28 Senador

diz que o impeachment dá ao presidencialismo a possibilidade de responsabilização do presidente.

19h23

O senador Eduardo Amorim (PSC-SE) fala.

19h14

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PDMB-AL), já está de volta ao plenário.

19h10 Retomada da sessão já tem atraso de 10 minutos.

18h17 O presidente do Senado Renan Calheiros estabelece intervalo até às 19h.

18h14 "Lutar contra o golpe é lutar em favor da educação. Portanto é com muita convicção e com muito senso de justiça que votarei contra esta farsa", afirma. "Viva Luiz Inácio Lula da Silva e viva Dilma Vana Rousseff", encerra a senadora, dando voto contrário ao afastamento da presidente Dilma.

18h10 "Não é a primeira vez que o nosso partido é criminalizado", diz a senadora. "A casa grande nunca aceitou ser governada pela senzala", continua.

18h03

A senadora afirma que o processo de impeachment é um golpe pois a presidente não cometeu nenhum crime de responsabilidade e que

que "este golpe de Estado teve início quando o PSDB e seu candidato, Aécio Neves, se rebelaram contra o resultado das eleições."

18h02 Senadora Fátima Bezerra (PT-RN) fala.

18h01 Presidente do Senado, Renan Calheiros, elogia a rapidez com que o senador Acir defendeu seu voto.

18h Senador diz que seu estado clama por mudança e vota favoravelmente ao impeachment.

17h56

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) fala.

Até o momento, só 20 dos 68 senadores falaram. Placar até o momento:

Pró-afastamento de Dilma: 17

Contra o afastamento: 3

17h55 Jorge Viana encerra sua fala.

17h43 Jorge Viana ressalta que

foi o governo do PT, do ex-presidente Lula, que tirou o Brasil do mapa da fome.

17h37

O senador Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente do Senado, inicia sua fala e afirma que

lamenta ser parte da sessão, pois preferia estar cumprindo seu trabalho de aprovar leis. Ele diz que "estamos vivendo a anarquia institucional neste país".

17h36 José Agripino termina a fala.

17h34 O senador

diz que vai votar pelo impeachment pois o próximo governo será melhor que o atual.

17h25

O senador José Agripino discursa e afirma que as pedaladas fiscais começaram nos anos 1990, quando 23 bancos foram fechados.

17h21 José Maranhão termina a fala e passa a palavra para José Agripino Maia (DEM-RN).

17h11

José Maranhão diz que na política não há solução sem sangue. Neste caso, é o sangue do povo brasileiro que está nas ruas reclamando. Ele declarou que votou em Dilma e, como os demais que a elegeram, está triste.

17h05 Senador José Maranhão (PMDB-PB) começa sua fala.

17h04 Senadora encerra com as palavras do Papa Francisco. Ela vota contra o processo de impeachment.

16h55 "Se admitirmos a deposição de uma presidenta sem que haja base legal, estaremos criando um grave precedente capaz de conferir instabilidade política inclusive para os próximos governantes". A senadora diz ainda que a oposição, que perdeu as quatro últimas eleições, tenta voltar a controlar o poder.

16h54 "A decisão dos julgadores já está tomada desde antes de começar", diz a senadora.

16h52 Senadora manifesta

sua "imensa tristeza" com o afastamento de Dilma: "Estamos diante de uma situação absurda de cassar uma presidenta sem que tenha havido a rejeição de suas contas pelo órgão competente".

16h50 Senadora Angela Portela (PT-RR) fala.

16h48 Como não houve consenso, o presidente Renan Calheiros afirma que o tempo de 15 minutos será mantido e que pretende deliberar a matéria ainda hoje.

16h47

O senador Valdir Rapp (PMDB-RO) defende o requerimento. O senador Humberto Costa (PT-PE) faz o contraditório ao requerimento.

16h45 Renan Calheiros afirma que há um requerimento que pede que o tempo de intervenção diminua para dez minutos.

16h44 Senador Renan Calheiros parabeniza o senador Cristovam Buarque pela intervenção feita.

16h42 "Eu voto, com a tristeza do momento, mas voto com a esperança de que a partir dessa catástrofe nós possamos nos reerguer", diz o senador.

16h38

O senador diz que seu voto é um voto técnico, moral e jurídico.

16h29 Senador Cristovam Buarque (PPS-DF) fala.

16h29 Senadora encerra seu voto fazendo uma prece.

16h24 Senadora vota "sim" pela admissibilidade desse processo pois diz que houve crime.

16h18

A senadora afirma que "o Brasil está parado" e cita dados econômicos negativos.

16h17 Senadora Simone Tebet (PMDB-MS) começa a falar.

16h08

O senador diz que o governo Dilma perdeu o apoio da sociedade, dos empresários e do Congresso, com suas "sucessivas decisões equivocadas".

16h06 Senador Dário Berger (PMDB-SC) fala.

16h06 Já sem o microfone, por ter passado do tempo, o senador Petecão encaminha voto favorável ao impeachment.

15h59 Senador diz que não se deve culpar somente Dilma pelos problemas do país e que não concorda que o PT é o inimigo.

15h52 Senador elogia a atuação do presidente da Comissão do Impeachment no Senado, Raimundo Lira (PMDB-PB) e o relator da Comissão, o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).

15h51 Senador Sérgio Petecão (PSD-AC) começa a falar.

15h50 Placar até o momento: 12 dos 68 senadores inscritos já falaram

Pró-afastamento de Dilma: 11

Contra o afastamento: 1

15h50 Senador Telmário encaminha voto contrário ao impeachment da presidente Dilma.

15h44

O senador Telmário diz que faltou a Antonio Anastasia a "isenção" de reconhecer que não houve crime de responsabilidade de Dilma.

15h40

Telmário Mota reafirma que "não estão respeitando o resultado das urnas" e criticou a jurista Janaína Paschoal por ter recebido R$ 45 mil do PSDB

para escrever o parecer pró-impeachment.

15h37 "Ela não roubou. A presidente Dilma não desviou dinheiro. A presidente Dilma não cometeu crime de responsabilidade", diz o senador.

15h36 "Impeachment começou pela ótica do revanchismo da oposição, principalmente do PSDB", diz o senador.

15h34 Senador Telmário Mota (PDT-RR) fala. "Estamos vivendo momento histórico e vergonhoso", afirma.

15h34 Romário encaminha voto favorável ao impeachment de Dilma Rousseff.

15h32 "Nenhuma mágica vai nos tirar do atoleiro", diz Romário.

15h31 "Votarei pela admissão do processo de impeachment", diz Romário.

15h30 Romário afirma que acompanhou a defesa e a acusação e que sua decisão foi tomada após muita ponderação. "Cheguei a conclusão que há sim indícios de crime fiscal cometidos pela presidente da República".

15h29 Senador Romário (PSB-RJ) fala.

15h24

Ferraço diz que governo tentou se manter no governo a qualquer custo com as fraudes fiscais.

15h19 Senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) afirma que o impeachment é "o mais amargo dos remédios" para afastar governo que comete crimes.

15h15 Senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) fala.

15h14 Magno Malta defende os tempos da ditadura, dizendo que sente saudades da época em que o Brasil "tinha OSPB na escola, tinha Estudos Sociais na escola", onde se cantava o Hino Nacional, onde havia "sentimento nativista".

15h13 "O legado que eu quero deixar para Ester", diz o senador Magno Malta. Em discurso confuso, ele encaminha voto favorável ao impeachment.

15h07 Senador diz que fala a Temer que ele deve manter os programas sociais.

15h03

O senador Magno Malta (PR-ES) afirma que é preciso "amputar uma perna" para salvar o "corpo" do Brasil.

15h

O senador Magno Malta (PR-ES) fala.

14h58 Senadora

critica as práticas orçamentárias do governo Dilma e encaminha voto "sim" ao impeachment.

14h53 Senadora

diz que as acusações contra Dilma estão "fartamente documentadas".

14h50 Senadora Lúcia Vânia (PSB-GO) fala.

14h49 Perrella pergunta se alguém duvida que "Lula fez parte do governo" e que Dilma não seria eleita nem para vereadora. "Que Deus nos proteja a todos", encerra o senador.

14h46 Perrella afirma que o governo enganou o povo ao manter o preço do combustível e baixar o preço da energia durante as eleições, que a militância do PT é "paga" e que

o PT "aparelhou o país para roubar".

- Helicóptero de deputado Zezé Perrella levava 443 quilos de cocaína

-

Perrella usou verba oficial para abastecer helicóptero

14h44 "Quando o Lula assumiu o poder, ninguém diria que ele iria acabar com a esquerda brasileira", diz Perrella.

14h41 Senador Zezé Perrella (PTB-MG) começa a falar. Ele elogia o relatório do Senador Anastasia (PSDB-MG) e afirma que Minas Gerais se orgulha muito do senador.

14h40 Caiado lista os efeitos da crise econômica do país, que segundo ele foram ocasionadas pelo PT. "Nós estamos interrompendo esse processo".

14h26 Senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) começa a falar. Ele defende a cassação do mandato da presidente Dilma por causa das "pedaladas fiscais".

14h25 Sessão é retomada com uma hora de atraso. Cinco senadores já falaram, faltam falar 63 senadores, mas alguns podem abrir mão do direito de discursar.

14h Retomada da sessão já tem meia hora de atraso.

13h58 - A votação eletrônica em painel está prevista para às 19h, no entanto, a sessão já está atrasada em 30 minutos, estava prevista para começar às 13h30

13h43 - Segundo levantamento da Folha de S. Paulo, 50 senadores são a favor, 20 são contra o afastamento da presidente Dilma e 11 são indefinidos

13h30 - Sessão deve recomeçar em breve e faltam se pronunciar 63 senadores

13h10 -

O ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki indeferiu recurso do governo para anular votação de impeachment na Câmara. Processo prossegue no Senado

12h30 -

No primeiro bloco de discussão, todos os cinco senadores se manifestaram a favor do impeachment

12h30 - A sessão de votação do impeachment de Dilma Rousseff está suspensa e irá retornar às 13h30

12h29 - Após cinco oradores se pronunciarem, a sessão é suspensa para intervalo de uma hora. Renan Calheiros destacou que a oposição se sobressaiu neste primeiro bloco da sessão e que o contraditório teve espaço.

12h26 - "A culpa de todo esse desastre é tua Lula. Foi você que colocou essa criatura para governar esse país", disse Ataídes Oliveira criticando a presidente Dilma

12h21 - Ataídes Oliveira disse que a Petrobras foi destruída e acusa o governo do PT de 'quebrar' a estatal

12h14 - O

senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) é o quinto orador da sessão; ele começou o discurso acusando a presidente Dilma de ter cometido crimes de responsabilidade

12h12 - Marta Suplicy afirmou:

"Estou convencida que há indícios mais do que suficientes dos crimes de responsabilidade cometidos pela presidente”

12h05 - A quarta senadora a falar é Marta Suplicy (PMDB-SP); a ex-petista diz que os brasileiros passam por um momento grave, devido a má gestão pública

12h - No Twitter, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) escreveu: "O impeachment, se aprovado, não será uma vitória da oposição. Será vitória do Brasil"

11h59 - "A sociedade brasileira acordou e não vai voltar a passividade de antes", disse Aloysio Nunes

11h57 - O senador Aloysio Nunes diz que não tem dúvidas de que a presidente Dilma será afastada e Temer irá assumir a presidência

11h53 - Aloysio Nunes diz que o relator Anastasia fez um relatório com "precisão milimétrica" que prova crime de responsabilidade cometido pela presidente Dilma

11h50 -

A palavra agora está com o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), ele é o terceiro orador da sessão

11h50 - José Medeiros declarou que irá votar pelo afastamento da presidente Dilma

11h35 - O segundo orador a falar é o senador

José Medeiros

(PSD-MT), segundo ele o parlamento é democrático. O senador parabenizou o relatório elaborado pelo senador Anastasia

11h34 -

O senador Paulo Paim (PT-RS) pede a palavra. Ele propõe reduzir o tempo de fala de 15 minutos para 10 minutos

11h28 - Ana Amélia considera que a presidente Dilma cometeu crime de responsabilidade fiscal. A senadora criticou a atitudade do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, de tentar anular o processo de impeachment

11h21 - Ana Amélia Lemos (PP-RS)

cita o Papa Francisco, que pediu "paz e harmonia" para o Brasil

11h19 - A sessão iniciou duas horas após o previsto, devido as questões de ordem apresentadas por alguns senadores

11h19 - Inicia a fala dos senadores que serão oradores, a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) é a primeira a falar, ela terá 15 minutos

11h07 - Senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) criticou seus colegas senadores e disse que eles estão tentando "procrastinar"

11h05 - Senador Lindbergh contesta que o crime de responsabilidade da qual Dilma Rousseff ainda não foi avaliado pelo Tribunal de Contas da União, segundo o senador a acusação contra Dilma acontece antes do TCU apreciar as contas da presidente. Lindbergh pede a suspensão do processo até que o Tribunal aprecie as contas de 2015 da presidente

11h02 - O senador Álvaro Dias (PV-PR) disse que há 'procrastinação' na sessão e criticou as questões de ordem apresentadas pelos seus colegas para tentar impedir o andamento da votação

11h -

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN) afirma que não houve crime de responsabilidade de Dilma

10h49 - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) reforçou que o PSDB contratou a jurista Janaína Pascoal para realizar o documento do processo de impeachment

10h47 -

Senado tentará terminar votação do impeachment às 22h desta quarta, diz Renan Calheiros

10h45 - Ricardo Ferraço (PSDB-ES) questionou as tentativas de suspender a sessão e pediu que Renan Calheiros não considere a questão de ordem que coloca em causa o relatório apresentado pelo senador Anastasia

10h44 -

O quórum de senadores no momento na sessão é de 56 de um total de 81. São necessários 41 votos a favor para o impeachment de Dilma Rousseff

10h41 - O senador Lazier Martins (PDT-RS) contestou as questões de ordem apresentadas pelos seus colegas senadores e pediu que o presidente do Senado retome a sessão de votação

10h40 -

Vanessa Grazziotin destaca que o processo de impeachment foi pensado pelo PSDB e que o partido pagou R$ 45 mil pelo processo; a senadora pede a suspensão da sessão

10h38 -

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse que os autores da denúncia contra Dilma possuem filiação partidária e questiona a legitimidade do pedido de impeachment apresentado pelos denunciantes

10h36 - Renan Calheiros também rejeitou a questão de ordem do senador Lindbergh

10h33 -

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), indefere a questão de ordem de Gleisi, pedindo a suspensão da votação de hoje

10h31 -

Hashtags 'ImpeachmentDay' e 'TchauQueridaDay' dominam redes sociais

10h30 - O senador Humberto Costa anunciou no Twiter: "Já apresentamos questão de ordem para suspender o processo até que o STF se manifeste sobre mandado de segurança impetrado ontem pela AGU"

10h30 - Renan Calheiros explicou que o microfone será cortado sempre que acabar o tempo, caso contrário haverá um problema operacional na condução da sessão

10h29 - O discurso do senador Lindbergh foi interrompido, pois o tempo esgotou e o microfone foi cortado

10h26 - Lindbergh ressaltou que não há crime de responsabilidade cometido pela presidente Dilma

10h24 - Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) frizou que não há intenção de atrasar a sessão no Senado; o petista fez uma questão de ordem para questionar o relatório elaboradora pelo senador Antonio Anastasia.

10h22 - Os senadores Cássio Cunha Lima (PMDB) e Sergio Petecão (PSD-AC) questionam o tempo estipulado para pronunciamento de cada senador; eles alegam que deve ser mantido o tempo de 15 minutos para cada senador

10h16 -

Gleisi Hoffmann (PT-PR) se disse indignada em relação ao julgamento ao qual classifica de "seletivo". A senadora também frizou que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) agiu por 'vingança' a presidente Dilma

10h14 -

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) pediu que a defesa de questões de ordem seja feita em 5 minutos e não 3 minutos

10h13 - Curiosidade: se cada um dos 68 senadores inscritos usassem todos os 15 minutos para falar durante a sessão, seriam necessárias 17 horas de sessão

10h06 - Renan Calheiros abriu a sessão e pediu que os senadores evitem votar por motivações partidárias ou passionalidades.

10h - Inicia a sessão para votar sobre a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff

9h47 - O relator do processo no Senado, Antonio Anastasia (PMDB) já está no plenário da Casa e disse que hoje será um dia bastante movimentado.

9h45 -

Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, disse que o processo de impeachment é longo e traumático, mas é fundamental o poder legislativo "cumprir seu compromisso com o Brasil". Renan também disse que é

"cada vez mais parlamentarista" e que "vai continuar parlamentarista".

9h20 - A primeira senadora a falar será Ana Amélia Lemos e o último será Benedito Lira

9h - 68 senadores já estão inscritos para falar durante a votação que ocorre no Senado

Veja aqui as manifestações pró e contra o impeachment.

Campo obrigatório