Meteorologia

  • 02 JULHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Gilmar Mendes minimiza crise de Temer e diz Lava Jato não é surpresa

Segundo Mendes, a formação do primeiro escalão do governo foi feita numa situação de emergência, e os desdobramentos da Lava Jato têm impacto no mundo político

Gilmar Mendes minimiza crise de Temer e diz Lava Jato não é surpresa
Notícias ao Minuto Brasil

18:10 - 31/05/16 por Folhapress

Política Ministro

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes minimizou a crise envolvendo o governo do presidente interino Michel Temer, que já derrubou dois ministros em uma semana.

Segundo Mendes, a formação do primeiro escalão do governo foi feita numa situação de emergência, e os desdobramentos da Lava Jato têm impacto no mundo político.

"É um governo provisório, que faz experimento e que teve que compor numa situação de emergência. Então não é surpresa que haja esse tipo de situação.

Depois também, essa questão aí da Lava Jato tem tido uma repercussão enorme e ampla irradiação no sistema político. Então, a mim parece que isso é pouco inevitável", disse o ministro.

Para o ministro, esse desgaste "não necessariamente" terá impacto na discussão do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado.

"Não vejo essa repercussão. Agora, isso como mostra quão difícil é governar, é ter estabilidade, especialmente num quadro dessa dificuldade. Quer dizer, um governo provisório, depende ainda do impeachment, tem que compor um governo com essa perspectiva, tem que fazer reforma, precisa de ter apoio na Câmara e no Senado", afirmou.

"Em suma, tem que ter, em geral, operar na lógica da segunda melhor opção. Nunca a melhor opção: 'Ah, quero fazer um governo de notáveis ou coisa do tipo', tem que conversar com os russos né", completou.

Em 19 dias de governo, Temer perdeu dois ministros após a divulgação de conversas gravadas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, delator da Lava Jato.

Chefe da pasta de Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira pediu demissão nesta segunda (30) após ser gravado em conversa com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), seu padrinho político. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) deixou o Ministério do Planejamento depois que foram divulgadas conversas dele propondo um pacto que seria para barrar a Lava Jato.

Mendes se encontrou na noite de sábado (28) com Temer no Palácio do Jaburu, residência oficial do peemedebista. Presidente do TSE, o ministro negou que tenha discutido a crise com o presidente interino.

Na conversa, além das questões sobre a recomposição orçamentária do TSE, Mendes disse que fez um alerta de que um conselho que será criado pela Justiça

Eleitoral vai defender uma reforma política. Segundo ele, é possível até que o debate envolva uma proposta de mudança no sistema eleitoral a ser apresentada ao Congresso. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório