Pastor condena gays e pede voto contra candidato a prefeito de BH

Missionário orientou fieis a não votarem em Alexandre Kalil, do PHS, por ele não ser cristão

Política minas gerais 00:24 - 18/10/16 POR Notícias Ao Minuto

Pastor condena gays e pede voto contra candidato a prefeito de BH © Reprodução Facebook

Pastor condena gays e pede voto contra candidato a prefeito de BH © Reprodução / YouTube

1 / 2
Pastor condena gays e pede voto contra candidato a prefeito de BH
© Reprodução / YouTube

Um vídeo que mostra um pastor aconselhando fieis a não votarem no candidato a prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil causou polêmica entre internautas. Na gravação, o missionário Almir Alves dos Santos diz que o candidato do PHS é a favor da ideologia de gays e que ele não é cristão.

PUB

"Eu não quero o meu filho de cinco anos, e nem a minha filha de oito anos, compartilhando o banheiro com menino e com menina. Eu não quero. E ele vai fazer isso nas nossas escolas. (...) Ele é favor do homossexualismo (sic), e todo aquele que é a favor do homossexualismo (sic) é anticristo. Eu amo o homossexual, mas não amo seus atos, os seus atos são condenados pela Bíblia", diz o religioso em local que parece um templo. Segundo lei eleitoral, é vedada a campanha em locais como igrejas e templos.

"Tem um monstro aí fora, chamado Kalil, que está crescendo todos os dias. (….) Se nós não abrirmos os nossos olhos, não dobrarmos os nossos joelhos e começar a orar, ele vai ganhar as eleições. E aí o negócio vai ficar cruel para as igrejas porque ele é contra o povo de Deus", diz.

Em entrevista ao jornal O Tempo, o missionário disse que a fala foi direcionada a um grupo de dependentes químicos. "Eu estava falando com um grupo de pessoas que apoiam o tratamento da comunidade terapêutica e lá me perguntaram em quem eu ia votar. Por isso que eu entrei com aquela fala. A maldade é tanta que eles só pegaram a hora que eu falo da parte de votar, a parte que eu estou decifrando o negócio, eles não falam. O testemunho, a hora que eu falo como eu saí das drogas, eles não colocaram. É uma maldade".

O pastor ameaçou processar o responsável pela divulgação do vídeo e classificou como "covardia" a edição do vídeo. Kalil criticou a fala do missionário. ": “Um homem de Deus falando mentira, o que você vai falar? Isso é um pseudohomem de Deus falando mentira. Eu sou a favor da criança sair lendo e escrevendo da escola. Isso é que eu sou a favor. Eu não entro nesse tipo de coisa porque eu peço muito a Deus para iluminar meu coração".

A coligação de João Leite (PSDB), adversário de Kalil, disse que não comenta posicionamentos de caráter pessoal.

LEIA TAMBÉM: Homofóbicos têm menos interesse em sexo, diz pesquisa

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X