Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Para Paes, crise política e econômica causou problemas ao Rio-2016

"O governo federal era uma completa confusão", disse o prefeito do Rio de Janeiro durante conferência em Tóquio

Para Paes, crise política e econômica causou problemas ao Rio-2016
Notícias ao Minuto Brasil

16:18 - 28/11/16 por Estadao Conteudo

Política Olimpíadas

Os organizadores dos Jogos Olímpicos Rio-2016 iniciaram nesta segunda-feira uma conferência de três dias, em Tóquio, conhecido como "debrief', em que repassam o conhecimento adquirido na organização da Olimpíada aos que vão ou pretender organizar os próximos Jogos de Inverno e Verão: Pyeongchang-2018, Tóquio-2020, Pequim-2022 e as candidaturas de Los Angeles, Paris e Budapeste a 2024.

O início da conferência teve uma mesa redonda com a participação, entre outros, da governadora de Tóquio, Yuriko Koike, do chefe-executivo do Comitê Tóquio-2020, e dos brasileiros Eduardo Paes, prefeito do Rio, e Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Rio-2016.

As conversas inicias do debrief se centraram nas dificuldades encontradas pelos organizadores do Rio-2016 de realizarem uma Olimpíada diante de um cenário caótico economica e financeiramente no Brasil.

"A crise política e econômica foi o pior para mim. Nós tivemos três presidentes, três governadores. O governo federal era uma completa confusão, enquanto o governo estadual estava quebrada antes do fim de 2015. Eu estava o tempo todo lá e eu queria falar constantemente para as pessoas: 'Não se preocupem, tudo vai dar certo', mas é difícil", revelou Paes, em declarações reproduzidas pelo site Inside The Game.

Quando perguntado com que frequência ele perdia o sono por causa dos problemas da Rio-2016, ele disse: "Todos os dias", reforçando a remodelação da região portuária, no projeto chamado Porto Maravilha, como seu grande legado, que não teria sido feito sem os Jogos.

O evento em Tóquio é também a passagem oficial das bandeiras olímpicas e paralímpicas da prefeitura carioca para o governo da capital japonesa. Na abertura da conferência, Koike lembrou que "a bandeira em si não é pesada, mas que a responsabilidade que vem com ela é".

Sobre de debrief, disse que Tóquio deve capitalizar a experiência do Rio para se preparar para 2020. "No Brasil, muita atenção foi dada aos cortes de custos. O uso de sobreposição nas instalações era perceptível, e usando não apenas o dinheiro dos contribuintes, mas também o financiamento privado era algo perceptível. Foi uma sugestão importante feita para nós", reiterou Muto.

A conferência, que não tem a presença do presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) Thomas Bach, continua na terça e na quarta-feira. Entre quinta e sexta, todas as esferas de governo que participam da organização dos Jogos de Tóquio-2020 se reúnem entre si e o COI para decidir temas-chave, como locais de competição. Com informações Estadão Conteúdo. 

Campo obrigatório