Para governo, PF cometeu erros técnicos em investigação sobre carne

Declarações foram dadas após uma reunião convocada pelo presidente Michel Temer para discutir o impacto da operação

© Elza Fiuza/ Agência Brasil
Política operação 20:45 - 19/03/17 POR Folhapress

O governo brasileiro afirmou que a Polícia Federal cometeu erros técnicos na investigação que deu base para a operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta-feira (17).

PUB

O ministro Blairo Maggi, da Agricultura, disse que a apuração aponta problemas em práticas que, na verdade, são permitidas por leis e regulamentos do setor.

Ele disse que houve um questionamento ao diretor-geral da Polícia Federal sobre a condução do inquérito.

As declarações foram dadas após uma reunião convocada pelo presidente Michel Temer para discutir o impacto da operação.

O tom de todos os discursos de pessoas do governo foi no sentido minimizar o resultado divulgado pela PF e, ao mesmo tempo, rebater conclusões dos delegados que cuidaram do caso.

Maggi contestou três dos assuntos que mais repercutiram após a operação, sobre a utilização de: ácido considerado cancerígeno na mistura de alimentos, de papelão em lotes de frango e também o da carne de cabeça de porco, que a polícia diz ser "sabidamente proibida".

"Eu acho que essa é uma questão muito mais da narrativa que foi adotada para tratar do assunto, Essa questão do papelão, está claro no áudio que estão se falando de embalagens e não falando de misturar papelão na carne. Senão é uma idiotice, uma insanidade, para dizer a verdade. As empresas brasileiras investiram alguns milhões, milhões e milhões de dólares dos seus mercados, há mais de dez anos, para consolidar mercado, e aí você pega uma empresa que é exportadora e vai dizer que misturou papelão na carne? Pelo amor de Deus. Não dá para aceitar esse tipo de situação", declarou o ministro.

De acordo com o chefe da pasta, "está escrito no regulamento" que a carne de cabeça de porco pode ser utilizada. Ele também afirmou que o ácido ascórbico, divulgado como cancerígeno, "é vitamina C e pode ser utilizado em processos".

"A narrativa nos leva até a criar fantasias. Não estou dizendo que não tenha sentido a investigação. Com toda certeza tem. Quando estamos falando "fiquem tranquilos" é porque a gente conhece a maior parte do nosso sistema, 99% dos produtores de alimentos fazem as coisas transparentes, fazem as coisas certas".

Maggi disse ter questionado o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, na reunião desta tarde e afirmou que a partir de agora o ministério vai participar do inquérito.

"Nós respeitamos as investigações. Questionamos hoje o diretor da Polícia Federal sobre por qual motivo o ministério não estava nas investigações.O comandante disse que não comunicou porque era sobre as pessoas do ministério", finalizou. Com informações da Folhapress.

Leia também: Citado em investigação, ministro da Justiça não vai à reunião com Temer

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X