Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2017
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 13º

Edição

Pimentel recebeu mesada de R$ 300 mil em campanha, diz delator

Segundo Ricardo Saud, "ele precisava estruturar a campanha dele em Minas Gerais"

Pimentel recebeu mesada de R$ 300 mil em campanha, diz delator
Notícias ao Minuto Brasil

09:35 - 20/05/17 por Folhapress

Política Investigação

Em sua delação à Procuradoria-Geral da República, Ricardo Saud, diretor da JBS, disse que foram pagos R$ 300 mil mensais para a campanha de Fernando Pimentel pelo PT ao governo de Minas Gerais entre 2013 e 2014.

"Ele precisava estruturar a campanha dele em Minas Gerais. Como ele era um ministro, numa área em que a gente atua em mais de 50 países, um ministro do Desenvolvimento, é importante. E nós atendemos o pedido dele e fizemos um repasse de R$ 300 mil mensais", disse Saud.

A primeira nota fiscal é do dia 6 de agosto de 2013 e o pagamento seguiu até 29 de outubro de 2014, segundo Saud. Ele disse não saber de que forma o dinheiro era retirado pelo destinatário na ponta final, mas mencionou que o volume passava pelo escritório Andrade, Antunes e Henriques Advogados, de Belo Horizonte.

Questionado se ele tem certeza de que se tratava de notas frias, Saud disse ter "certeza absoluta". "Nota totalmente fria, propina, contratos, tudo fajuto", disse.As delações da JBS também apontam que Dilma Rousseff pediu mais R$ 30 milhões para a campanha de Pimentel, em 2014.

OUTRO LADO

Na tarde desta sexta-feira (19), Fernando Pimentel publicou em sua página no Facebook que está "sendo acusado mais uma vez de forma leviana e mentirosa".

"O acusador não apresenta provas para sustentar sua versão. Eu não tenho e nunca tive, em tempo algum, qualquer ligação com esse escritório de advocacia." Diz ainda que nos trechos publicados pela imprensa percebe-se que as afirmações de Joesley Batista sobre ele "não têm nenhum suporte em provas ou evidências materiais".

"A verdade é que a minha vida e de meus familiares foi ilegalmente devassada pela Polícia Federal. Todos os sigilos - bancário, fiscal e contábil - foram levantados e nenhum ilícito foi encontrado." Com informações da Folhapress.

Leia também: Dúvidas levam PGR a organizar respostas sobre delação da JBS

Campo obrigatório