Meteorologia

  • 23 AGOSTO 2017
Tempo
28º
MIN 28º MÁX 28º

Edição

Lava Jato de SP quer ouvir executivos da Odebrecht de novo

O grupo de trabalho, formado por quatro procuradores, está começando a trabalhar nos pedidos de investigação encaminhados ao Estado em abril pelo ministro Edson Fachin

Lava Jato de SP quer ouvir executivos da Odebrecht de novo
Notícias ao Minuto Brasil

21:12 - 21/07/17 por Folhapress

Política OPERAÇÃO

Anunciada na quinta (20), a força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal de São Paulo pretende ouvir novamente executivos da Odebrecht que depuseram, em acordo de delação premiada, à Procuradoria-Geral da República.

O grupo de trabalho, formado por quatro procuradores, está começando a trabalhar nos pedidos de investigação encaminhados ao Estado em abril pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF.

"Eles têm que ser ouvidos, começar a entregar a documentação. Todos esses depoimentos precisam ser corroborados", afirma Thaméa Danelon, coordenadora do Núcleo de Combate à Corrupção na Procuradoria e integrante do time paulista da Lava Jato.

Não serão, porém, todos os 78 executivos da empreiteira que serão convocados -apenas os que delataram acontecimentos relacionados aos 12 inquéritos e dois pedidos de investigação já nas mãos dos procuradores paulistas.

No total, o STF encaminhou 29 petições ao MPF regional.

A lista de tarefas inclui a apuração de suposta propina nas obras da linha 2 verde do Metrô e favorecimento à Odebrecht em acordo judicial na construção da rodovia Carvalho Pinto.

No caso do Metrô, a Odebrecht diz que, em 2006, subornou, por um total de R$ 17,9 milhões, o ex-governador José Serra (PSDB) e diretores da companhia para reativar um contrato de 1991 ao retomar as obras. Serra nega a acusação e diz que sua carreira "sempre foi pautada pela lisura, ética e transparência".

A maioria dos caos, no entanto, diz respeito a doações para o caixa 2 de campanhas eleitorais de deputados, do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) e de Alexandre Padilha, também petista, que disputou o governo em 2014.

EXCLUSIVOS

Diferentemente dos colegas de Lava Jato em Curitiba e no Rio, os paulistas não se dedicarão exclusivamente à operação. Segundo Danelon, o "cobertor é curto". "Não tem como, a gente tem muitos outros casos. Ainda está no começo, vamos ver no futuro", ela argumenta.

A organização em grupo, para a procuradora, agiliza as investigações: "Se não tem força-tarefa, os procedimentos podem ser pulverizados". Além dos membros do Ministério Público Federal -Danelon, Thiago Lacerda Nobre, José Roberto Pimenta Oliveira e Anamara Osório Silva-, a equipe contará com dois delegados da Polícia Federal.

Também evita o vazamento de apurações sigilosas, ao restringir o número de pessoas que acessam os inquéritos.

"Para o Ministério Público, não interessa o vazamento. Quanto mais sigilosa a informação, melhor", avalia Danelon. "A defesa também tem acesso a eventuais interceptações telefônicas e colaborações. Tem que ver para quem interessou o vazamento."

A procuradora diz entender o interesse da população e da imprensa nas apurações, mas a publicidade da apuração "por vezes, não é boa para o interesse público". Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório