Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2017
Tempo
23º
MIN 23º MÁX 23º

Edição

Acordo de delação prevê saída de Funaro da prisão já no próximo ano

Depois, ele irá cumprir mais dois anos em regime semi-aberto e outros dois em prisão domiciliar

Acordo de delação prevê saída de Funaro da prisão já no próximo ano
Notícias ao Minuto Brasil

16:25 - 15/09/17 por Notícias Ao Minuto

Política Colaboração premiada

O doleiro Lúcio Funaro assinou, no dia 22 de agosto último, acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), que foi homologado pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Pelo acerto, ele deixará a cadeia em meados de 2018, para cumprir mais dois anos em regime semi-aberto e outros dois em prisão domiciliar, conforme a coluna Radar, de Veja.

Funaro é processado pela Justiça Federal, em Brasília, em três investigações da Polícia Federal (PF) – Greenfield, Sépsis e a Cui Bono – que envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). O empresário também foi citado nas delações da JBS.

+ Dodge diz que apoiará combate à corrupção ao anunciar nomes da equipe

Ele é apontado como operador financeiro do PMDB e, por isso, é testemunha-chave em processos que envolvem o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima, além de Michel Temer.

Em seus depoimentos, Funaro já citou o presidente, ao afirmar que a pedido do peemedebista pegou uma caixa contendo R$ 1 milhão em espécie, no escritório do assessor especial e amigo íntimo de Temer, José Yunes, que deveria ser entregue ao cuidados de Geddel, em Salvador (BA).

Ele também disse ter presenciado, em 2012, um telefonema no qual o então vice-presidente Michel Temer avalizou pagamentos eleitorais como um "pedágio" por liberação de créditos da Caixa Econômica Federal.

Em um dos anexos da colaboração de Funaro ainda consta a informação de que Temer tramava, "diariamente", a deposição da ex-presidente da República Dilma Rousseff com o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Campo obrigatório