Meteorologia

  • 15 JULHO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Acordo de delação prevê saída de Funaro da prisão já no próximo ano

Depois, ele irá cumprir mais dois anos em regime semi-aberto e outros dois em prisão domiciliar

Acordo de delação prevê saída de Funaro da prisão já no próximo ano
Notícias ao Minuto Brasil

16:25 - 15/09/17 por Notícias Ao Minuto

Política Colaboração premiada

O doleiro Lúcio Funaro assinou, no dia 22 de agosto último, acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), que foi homologado pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Pelo acerto, ele deixará a cadeia em meados de 2018, para cumprir mais dois anos em regime semi-aberto e outros dois em prisão domiciliar, conforme a coluna Radar, de Veja.

Funaro é processado pela Justiça Federal, em Brasília, em três investigações da Polícia Federal (PF) – Greenfield, Sépsis e a Cui Bono – que envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). O empresário também foi citado nas delações da JBS.

+ Dodge diz que apoiará combate à corrupção ao anunciar nomes da equipe

Ele é apontado como operador financeiro do PMDB e, por isso, é testemunha-chave em processos que envolvem o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima, além de Michel Temer.

Em seus depoimentos, Funaro já citou o presidente, ao afirmar que a pedido do peemedebista pegou uma caixa contendo R$ 1 milhão em espécie, no escritório do assessor especial e amigo íntimo de Temer, José Yunes, que deveria ser entregue ao cuidados de Geddel, em Salvador (BA).

Ele também disse ter presenciado, em 2012, um telefonema no qual o então vice-presidente Michel Temer avalizou pagamentos eleitorais como um "pedágio" por liberação de créditos da Caixa Econômica Federal.

Em um dos anexos da colaboração de Funaro ainda consta a informação de que Temer tramava, "diariamente", a deposição da ex-presidente da República Dilma Rousseff com o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório