Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2017
Tempo
20º
MIN 20º MÁX 20º

Edição

Temer comemora aniversário e fará reunião sobre denúncia

Presidente passou manhã em São Paulo e depois embarcou para Brasília

Temer comemora aniversário e fará reunião sobre denúncia
Notícias ao Minuto Brasil

15:28 - 23/09/17 por Folhapress

Política planalto

O presidente Michel Temer comemorou neste sábado (23) seu aniversário de 77 anos com familiares e amigos e deve promover reunião neste domingo (24) com ministros e parlamentares da base aliada.

Na capital paulista, ele tomou café da manhã com as filhas e netos. No início da tarde, embarcou para Brasília, onde passará o resto do dia com a primeira-dama, Marcela Temer, e com o caçula, Michel Filho.Durante o dia, o peemedebista recebeu telefonemas de auxiliares e aliados desejando-lhe felicidades e sorte em sua administração.

Neste domingo (24), o peemedebista pretende promover encontro para discutir a estratégia da tramitação de denúncia contra ele por obstrução judicial e organização criminosa.

Para a reunião, deputados da base governista discutem levar um bolo de aniversário para o presidente.Com o envio da denúncia à Câmara dos Deputados, o Palácio do Planalto começou na sexta-feira (22) a fazer o mapa de votações na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

A meta estipulada pela equipe política é conseguir pelo menos 43 votos favoráveis ao peemedebista na comissão parlamentar.

+ Doria vai reduzir viagens e mudar discurso sobre Lula, diz colunista

A aposta do Palácio do Planalto é que o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), indique para a relatoria um nome da base governista, mas que não seja tão afinado ao presidente.

A equipe presidencial dá como certo que não será nem um nome do PMDB nem um nome do PSDB.O presidente quer concluir a tramitação em plenário no início da segunda quinzena de outubro, possibilitando, assim, que a reforma previdenciária seja votada antes de novembro.

O receio é de que caso a mudança nas aposentadorias não comece a ser votada em outubro, não será possível conclui-la neste ano, aumentando o risco de derrota já que 2018 é ano eleitoral.

A iniciativa precisa ser apreciada em dois turnos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal e o quórum parlamentar em dezembro costuma ser baixo.

Para agilizar o processo, o Palácio do Planalto quer abrir mão do prazo completo para a defesa para agilizar o processo e concluí-lo em três semanas.

Em julho, o presidente cogitou promover uma nova reforma ministerial, mas com o cronograma de votações ele decidiu adiá-la para o ano que vem.

A ideia é aproveitar a saída de pelo menos seis ministros em abril, para a disputa eleitoral, para contemplar a base aliada. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório