Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Aécio se prepara para reassumir mandato já nesta quarta, dizem aliados

Na votação dessa terça-feira (17), foram 44 senadores contra e 26 a favor das medidas cautelares impostas pela Primeira Turma do STF que, além do afastamento do tucano, determinavam o seu recolhimento domiciliar noturno

Aécio se prepara para reassumir mandato já nesta quarta, dizem aliados
Notícias ao Minuto Brasil

09:44 - 18/10/17 por Notícias Ao Minuto

Política Volta

Após o Senado tornar sem efeito, nessa terça-feira (17), a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que o afastava do mandato e determinava seu recolhimento noturno, Aécio Neves (PSDB-MG) se prepara para reassumir cargo, ainda nesta quarta-feira (18).

A informação foi repassada por deputados mineiros, que estiveram na casa de Aécio logo depois da votação, segundo informações de O Globo. Foram 44 votos contra e 26 a favor das medidas cautelares impostas pela Primeira Turma do Supremo. Houve ainda 9 ausências, sem contar o próprio Aécio, que estava com o mandato suspenso e não podia votar. A Constituição exige que a decisão seja tomada por maioria absoluta, pelo menos 41 votos.

+ Lula pode concorrer em 2018 mesmo se condenado, diz parecer

"Aécio está bem sereno e tranquilo. Recebeu dezenas de ligações e está ligando para cada um dos senadores para agradecer o voto. Agora só esperar os tramites para reassumir. Está aliviado e diz que foi feita justiça", disse o deputado Danilo de Castro ( PSDB-MG), ao deixar a residência de Aécio.

"Foi tudo dentro do esperado. Agora, ele deverá refletir, essa noite, sobre o discurso que fará ao retornar ao mandato ", avaliou Abi-Ackel (PSDB-MG).

Já o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) considerou que as decisões da PGR e do STF contra Aécio foram políticas. "A vitória não foi só de Aécio. Que democracia é essa que a pessoa antes de virar réu já começam a pagar pena? Por 3 votos a 3 os ministros impuseram o que chamaram de pena alternativa, e um ministro ainda disse que era para servir de lição. Mas isso não está previsto na lei. Não podem usar os poderes que tem como instrumento de ação política", apontou Domingos Sávio.

O senador, ainda de acordo com os aliados, recebeu a decisão de forma serena e comemorou o que chamou de "pesadelo".

Campo obrigatório