Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2018
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

Maia traça agenda com aliados para viabilizar candidatura ao Planalto

Entre as estratégias, além de viagens pelo Brasil, estão encontro com empresários e líderes partidários

Maia traça agenda com aliados para viabilizar candidatura ao Planalto
Notícias ao Minuto Brasil

08:10 - 09/01/18 por Notícias Ao Minuto

Política ELEIÇÕES 2018

Desde outubro, quando da votação da segunda denúncia contra Michel Temer na Câmara, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), começou a se aproximar de bancadas do centro. As relações com o PP e com o Solidariedade, especialmente, ficaram mais firmes.

Já naquela época, a intenção era clara: abrir caminhos para uma possível candidatura à Presidência da República. Na ocasião, o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), chegou a ir à residência oficial de Maia, e ofereceu apoio de seu partido a qualquer projeto político que ele tivesse para as eleições de 2018.

Agora, o presidente da Câmara começou a planejar viagens pelo Brasil, com o propósito de se tornar mais conhecido. Além disso, de acordo com informações da Folha de S. Paulo, Maia decidiu procurar empresários e outros partidos para dar sustentação à candidatura.

Outro entusiasta do nome de Rodrigo Maia ao Planalto é o deputado Paulinho da Força (SD-SP), com quem o democrata se reuniu, na última sexta-feira (5), em São Paulo.

"Há um espaço no eleitorado de centro, principalmente diante das dúvidas em torno do ex-presidente Lula. Como Maia tem boa relação com diversos partidos, esse espaço pode ser viabilizado com ele", afirmou Paulinho.

+ Temer pede à AGU que recorra rápido da suspensão da posse de ministra

No entanto, para que a estratégia se firme, é necessário ainda encurralar uma possível candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que desde o ano passado tenta se consolidar como o candidato da coalizão governista.

Ainda conforme a Folha, Maia tem sido cauteloso em relação aos movimentos mais assertivos sobre sua candidatura, ainda mais enquanto a votação da reforma da Previdência não acontece. O objetivo, de acordo com fontes próximas do deputado, é evitar cometer o mesmo erro de Meirelles: falar como candidato em meio às negociações da proposta.

Maia deve aproveitar a convenção do seu partido, o DEM, no dia 6 de fevereiro, para se testar. Na oportunidade, tudo indica que adotará um discurso próprio, que defenda as reformas, legado do governo de Michel Temer, porém sem se comprometer tanto com a pauta exclusivamente econômica do presidente.

O motivo é simples: manter independência em relação a um governo que tem baixíssimos índices de aprovação, e poder criticá-lo. Até agora, os números também não favorecem Maia, que foi lembrado por apenas 1% dos eleitores, na última pesquisa de intenção de voto realizada pelo Datafolha.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório