Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Ciro Gomes diz ser contra presença de Haddad em debates presidenciais

Segundo ele, o candidato do partido é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e não faz sentido que um substituto compareça ao confronto eleitoral

Ciro Gomes diz ser contra presença de Haddad em debates presidenciais
Notícias ao Minuto Brasil

14:12 - 14/08/18 por Folhapress

Política ELEIÇÕES 2018

O presidenciável do PDT, Ciro Gomes, respondeu nesta terça-feira (14) a cobrança pública feita pelo candidato a vice-presidente do PT, Fernando Haddad, e disser ser contra sua presença nos debates televisivos.

Segundo ele, o candidato do partido é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e não faz sentido que um substituto compareça ao confronto eleitoral.

Por essa lógica, segundo ele, Jair Bolsonaro, do PSL, poderia ser trocado pelo seu candidato a vice-presidente, o general Hamilton Mourão.

"Eu acho que não [deve participar]. Quem é o candidato a presidente do PT? É o Lula. Por que o Haddad vai para os debates? Isso depende de mim? Então, o Bolsonaro pode mandar Mourão", ressaltou.

Na segunda-feira (13), Haddad disse que seus adversários deveriam se manifestar a favor de sua participação e lembrou que defendeu, em 2016, a presença de Luiza Erundina (PSOL) nos debates a prefeito de São Paulo.

"O PT é meu adversário", disse Ciro. "O PT é fortemente responsável por esse momento que estamos vivendo. Não foi o PT que escolheu Michel Temer? O PT escolheu Michel Temer ou fui eu quem escolhi?", acrescentou.

O candidato participou nesta terça-feira (14) de seminário promovido por entidades de comércio e serviço com os principais presidenciáveis, em Brasília.

IMITAÇÃO

No evento, Ciro acusou seus adversários de imitarem tudo o que ele tem proposto, como a redução da lista de devedores e mudança na cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

"Tudo o que eu falo agora os meus adversários estão copiando. É uma coisa boa porque as boas ideias devem ser de todos, mas é muito chato na medida que você ainda não ganhou a eleição. O PT chegou a copiar frase e nome. Já não chega ter tido 13 anos para fazer e não ter feito", afirmou.

Ele criticou ainda análise de especialistas e economistas, consultados pela Folha, de que a proposta de tirar o nome dos brasileiros do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) é vaga.

"Você acha mesmo que eu faria uma proposta que não tenha sido detalhadamente estudada? O problema é que meus adversários estão imitando tudo e eu quero que as pessoas discutam [as propostas]. A crítica para mim não é ruim, é bem-vinda", disse.

Segundo ele, diante de crítica, decidiu que, caso seja eleito, a medida só valerá para os brasileiros que estavam com o nome sujo até o dia 20 de julho, quando anunciou a iniciativa.

"Essa crítica me chamou a atenção de que não deve valer para a frente para não estimular ninguém a fazer crédito e depois não pagar de propósito", disse.

PRISÃO

Na apresentação, Ciro defendeu o combate à corrupção e classificou o presidencialismo de coalizão como uma "roubalheira" que torna o presidente um "testa de ferro".

Sobre o combate à violência, ele defendeu a federalização de crimes relacionados ao narcotráfico e a facções criminosas, "da origem da investigação até a segregação penitenciária".

"Todo o comando do PCC (Primeiro Comando da Capital) está nos presídios de São Paulo, porque fizeram acordo. Eu assumindo vai todo mundo para penitenciária federal, cela solitária e incomunicável", disse.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório