Meteorologia

  • 17 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Wilson Witze ameaça prender Eduardo Paes em debate por 'injúria'

Ex-prefeito negou ser responsável por notícias falsas e disse que o candidato terá "de aprender que, quando se está na vida pública, somos o tempo todo arguido"

Wilson Witze ameaça prender Eduardo Paes em debate por 'injúria'
Notícias ao Minuto Brasil

16:02 - 09/10/18 por Folhapress

Política Rio de Janeiro

O ex-juiz Wilson Witzel (PSC), candidato ao governo do Rio de Janeiro, ameaçou nesta terça-feira (9) prender em flagrante o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) caso seja alvo do que chama de "injúria" durante algum debate.

Witzel afirma que tendo sido vítima de informações falsas circulando nas redes sociais. Ele atribui a divulgação a Paes, que nega.

"O crime de injúria é de pequeno potencial ofensivo. Está sujeito sim a voz de prisão. O que eu tenho dito é que a política tem sido feita de uma forma irresponsável. Essas fake news Elas só podem sair de um lado, que é o candidato opositor. Esse tipo de coisa, não vou admitir. Se for praticado crime de injúria durante programa de televisão, nós vamos parar na delegacia", disse ele.

+ Bolsonaro já tem 9 nomes para ministérios em eventual governo; confira

+ Haddad descentraliza campanha e viajará menos no segundo turno

Paes negou ser o responsável por notícias falsas sobre o adversário, mas disse que ele terá "que aprender que, quando se está na vida pública, somos o tempo todo arguido sobre o que a gente faz ou não".

"Ser candidato a governador não é ficar dentro de uma sala de juiz assinando e determinando coisas. Todos temos a obrigação, responder", afirmou ele.

O candidato do DEM criticou ainda o episódio em que uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL) foi quebrada na presença de Witzel.

"O assassinato da Marielle é o assassinato de uma cidadã, mas que era uma vereadora e que representava uma luta contra o crime organizado, seja de que forma ele se manifestasse. É inaceitável o gesto do deputado eleito [Rodrigo Amorim] como do candidato a governador", disse o ex-prefeito.

Witzel afirmou que a morte de Marielle foi um atentado contra a democracia, assim como a facada no presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Ele disse ainda que, por ter sido juiz criminal, poderia ajudar "pessoalmente" na investigação do caso. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório